Invertendo a lógica do projeto escolar de esclarecer o ignorante em matéria de língua

  • Inês Signorini
Palavras-chave: Letramento, Ensino de língua materna, Ensino inclusivo, Ensino e variação lingüística, Educação lingüística.

Resumo

Oensino de língua no Brasil é tributário de um projeto emancipatório, herdado do Iluminismo, de universalização do saber (esclarecer o ignorante) e articulado aos princípios do liberalismo democrático (formar o cidadão esclarecido e participativo) através do
modelo republicano de construção do que é comum e compartilhado na fala/escrita dos cidadãos (aquisição dos padrões de prestígio), em detrimento das heterogeneidades constitutivas da língua falada pelo conjunto dos falantes da língua nacional. Segundo esse modelo, a igualdade das condições entre falantes de uma mesma língua é o objetivo a ser alcançado através da escolarização/universalização dos saberes sobre a língua. Mas para os grupos socioculturalmente periféricos, esse modelo tem produzido importantes mecanismos de exclusão. Nosso objetivo nesta comunicação é o de apontar esses mecanismos e argumentar em favor de uma inversão no modo de equacionar a questão da educação lingüística, com vistas à inclusão do falante periférico. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

JAFFE, A. Ideologies in action: language politics on Corsica. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 1999.

MARCUSCHI, L. A. Letramento e oralidade no contexto das práticas sociais e eventos comunicativos. In: SIGNORINI, I. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 23-50.

RANCIÈRE, J. Le maître ignorant. Paris: Fayard, 1987.

SIGNORINI, I. Esclarecer o ignorante: a concepção escolarizada do acesso ao mundo da escrita. The Especialist, n. 1 e 2, v. 15, p. 163-171, 1994a.

SIGNORINI, I. A letra dá vida mas também pode matá: os “sem leitura” diante da escrita. Leitura: teoria & prática, n. 24, v. 13, p. 20-27, 1994b.

SIGNORINI, I. (Des) construindo bordas e fronteiras: letramento e identidade social. In: SIGNORINI, I. (Org.) Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 139-171.

SIGNORINI, I. O oral na escrita de sujeitos não ou pouco escolarizados. Leitura: teoria & prática, n. 18, v. 34, p. 5-12, 1999.

SIGNORINI, I. Construindo com a escrita “outras cenas de fala”. In: SIGNORINI, I. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 97-134.

SIGNORINI, I. Por uma teoria da desregulamentação lingüística. In: BAGNO, Marcos (Org.). A lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 93-125.

SIGNORINI, I.; DIAS, R. “Até agora, só ferrada, cara!”: o cognitivo, o afetivo e o motivacional na alfabetização de jovens. In: KLEIMAN, A. B.; SIGNORINI, I. (Org.). O ensino e a formação do professor. Alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed

Editora, 2000. p. 75-102.

KLEIMAN, A. B.; SIGNORINI, I. O ensino e a formação do professor. Alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

Publicado
18-03-2004
Como Citar
Signorini, I. (2004). Invertendo a lógica do projeto escolar de esclarecer o ignorante em matéria de língua. Scripta, 7(14), 90-99. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12545