A autoconfrontação simples aplicada à formação de docentes em situação de trabalho

  • Ada Magaly Matias Brasileiro
Palavras-chave: Formação docente, Procedimentos de autoconfrontação, ISD, Clínica da Atividade.

Resumo

Este trabalho traz como tema a autoconfrontação, metodologia desenvolvida pela Clínica da Atividade (FAÏTA, 2002; CLOT, 2000, 2010) e utilizada pelos adeptos do Interacionismo Sociodiscursivo (AMIGUES, 2004; BRONCKART, 2003, 2006, 2008), cujo princípio é fazer da atividade passada o objeto da atividade presente, por meio da linguagem. O objetivo desta pesquisa é apresentar os fatores que devem ser levados em consideração para que uma instituição escolar utilize esse instrumento na formação contínua de seus professores. Esse investimento se justifica pela necessidade institucional de ferramentas capazes de formar os professores em ambiente de trabalho e pela carência dos docentes de receberem retornos sobre suas ações. Por meio de leituras e de 10 sessões de autoconfrontação, foi possível elaborar um roteiro prático para a aplicação da metodologia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMIGUES, René. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, Anna Rachel. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos. Por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel. Machado. São Paulo: EDUC, 2003

BRONCKART, Jean-Paul. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Tradução de Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

BUZZO, Marina Gonçalves. Os professores diante de um novo trabalho com a leitura: modos de fazer semelhantes ou diferentes? 2008. 207 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.pucsp.br/pos/

lael/lael-inf/teses>. Acesso em: 30 jun. 2011.

CLOT, Yves et al. Clínica do trabalho, clínica do real. Tradução de Kátia Santorum e Suyanna Linhales Barker. Le journal des psychologues, n. 185, mars 2001.

CLOT, Yves. La fonction psychologique du travail. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

CLOT, Yves. Trabalho e poder de agir. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira e Marlene Machado Zica Vianna. Belo Horizonte: Fabrecatum, 2010.

DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

DREY, Rafaela Fetzner. Eu nunca me vi, assim, de fora: representações sobre o agir docente através da autoconfrontação. 2008. 162 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

FAÏTA, Daniel. Análise das práticas linguageiras e situações de trabalho: uma renovação metodológica imposta pelo objeto. In: SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez de; FAÏTA, Daniel (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de

análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Pensamento pós-metafísico: estudos filosóficos. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

MACHADO, Anna Rachel. Por uma concepção ampliada do trabalho do professor. In: GUIMARÃES, Ana Maria; MACHADO, Anna Rachel; COUTINHO, Maria Antónia (Org.). O interacionismo sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

MACHADO, Anna Rachel; LOUSADA, Eliane Gouvêa. A apropriação de gêneros textuais pelo professor: em direção ao desenvolvimento pessoal e à evolução do “métier”. In: Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 10, n. 3, dez. 2010.

MACHADO, Anna Rachel; MAGALHÃES, Maria Cecília Camargo. A assessoria a professores na universidade brasileira: a emergência de uma nova situação de trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez de; FAÏTA, Daniel (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

NOUROUDINE, Abdallah. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez de; FAÏTA, Daniel (Org.). In: Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

SOUZA, Solange Jobim. Dialogismo e alteridade na utilização da imagem técnica em pesquisa acadêmica: questões éticas e metodológicas. In: FREITAS, Maria Teresa; SOUZA, Solange Jobim; KRAMER, Sônia. (Org.). Ciências humanas e pesquisa. Leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003.

SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez de. O ensino como trabalho. In: MACHADO, Anna Rachel (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 81-104.

SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez de; FAÏTA, Daniel (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

TOGNATO, Maria Izabel Rodrigues. A (re)construção do trabalho do professor de inglês pela linguagem. 2009. 337 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: <http://www.pucsp.br/pos/lael/laelinf/teses/maria_%20izabel_tognato.pdf>. Acesso em: 2 jul. 2011.

VIEIRA, Marcos; FAÏTA, Daniel. Quando os outros olham outros de si mesmo: reflexões metodológicas sobre a autoconfrontação cruzada. Polifonia, Cuiabá, n. 7, p. 27-65, 2003. Disponível em:<http://cpd1.ufmt.br/meel/arquivos/artigos/>. Acesso em: 30 jun. 2011.

Publicado
18-07-2011
Como Citar
Magaly Matias Brasileiro, A. (2011). A autoconfrontação simples aplicada à formação de docentes em situação de trabalho. Scripta, 15(28), 205-224. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4316
Seção
Dossiê: Linguagem e discurso em práticas formativas e profissionais