POR UMA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA EMANCIPATÓRIA: contribuições freireanas para a superação do fetiche da tecnologia em sala de aula

  • Núbia Ketyllen Zeferino E.M. Aurélio PIRES
Palavras-chave: Tecnologias digitais, fetiche, educação tecnológica bancária, educação tecnológica emancipatória, Paulo Freire

Resumo

O presente trabalho pretende dialogar e problematizar com a questão da introdução/recepção neutra e acrítica das tecnologias digitais nas salas de aulas, trazendo o aporte freireano para uma análise crítico deste fenômeno cada vez mais crescente nas sociedades contemporâneas. A partir do conceito de tecnologia do filósofo brasileiro, Álvaro Vieira Pinto (1909-1987), temos a desmistificação da tecnologia que se aprofunda com o uso da categoria fetiche de Karl Marx (1818-1893). A problematização estabelecida inicialmente se propõe a humanizar as tecnologias e concebê-las como criação humana que tem seus fins e interesses, sendo que, no contexto escolar, estas têm o potencial para o desenvolvimento de uma educação tecnológica bancária com sujeitos que são apassivados diante do otimismo e entusiasmo ingênuo próprio do fetiche que aliena o ser humano de sua criação. A pesquisa busca, assim, através de um levantamento teórico-bibliográfico, fixar os marcos problemáticos das tecnologias digitais na educação escolarizada, para, em Paulo Freire (1921-1997), trazer uma perspectiva libertadora que permite apontamentos em prol uma educação tecnológica emancipatória de bases dialógicas.

Biografia do Autor

Núbia Ketyllen Zeferino, E.M. Aurélio PIRES

Doutora em Educação - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC (2005-2007). Professora na rede de Educação Municipal de Belo Horizonte. E-mail nkzeferino@gmail.com.

Publicado
09-03-2020
Como Citar
Zeferino, N. K. (2020). POR UMA EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA EMANCIPATÓRIA: contribuições freireanas para a superação do fetiche da tecnologia em sala de aula. @rquivo Brasileiro De Educação, 7(16), 154-180. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2019v7n16p154-180