ENSINO DE HISTÓRIA E RESISTÊNCIA: NOTAS SOBRE UMA HISTÓRIA MENOR

  • Nilton Mullet Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Ensino de História. história menor. temporalidades.

Resumo

Este artigo é resultado de uma reflexão teórica realizada a partir das entrevistas de dois professores, acerca do ensino de História na escola básica, enfatizando o conceito de história menor, como elemento teórico capaz de ler e compreender determinadas práticas de sala de aula que representam fissuras nos modos tradicionais de se ensinar História. O texto realiza um diálogo teórico com o conceito de simpatia de Bergson, a fim de pensar novas formas de se ensinar história e de subverter a temporalidade eurocentrada. Nesse sentido, também dialoga com a descolonialidade, no sentido de realizar a crítica tanto à história maior, quanto a temporalidade que lhe é correlata. O objetivo principal está em desenvolver o conceito de história menor e permitir que ele se torna uma chave de leitura para pensar o ensino de história desde uma perspectiva que rompe com as grandes explicações estruturais e que promove, na sala de aula, uma história de temas e sujeitos invisibilizados pela história maior.

Biografia do Autor

Nilton Mullet Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-doutor em História Medieval pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), da área de Ensino de História. Pesquisa as práticas de leitura e de escrita na aula de História, através do projeto “Leitura e escrita na sala de aula de História: da prisão da palavra ao labirinto do exterior”.

Publicado
2018-02-19
Como Citar
Pereira, N. M. (2018). ENSINO DE HISTÓRIA E RESISTÊNCIA: NOTAS SOBRE UMA HISTÓRIA MENOR. @rquivo Brasileiro De Educação, 5(10), 103-117. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2017v5n10p103