Guerra da pós-verdade: a batalha político-midiática do Movimento Brasil Livre

Alberto Rodrigues de Freitas Filho, Pollyana Ferrari Teixeira

Resumo


Em um cenário caracterizado pela crescente digitalização de todos os aspectos da vida humana, a concepção da verdade pode estar sendo alterada radicalmente. Na chamada era da “pós-verdade”, fatos objetivos teriam cada vez menos importância diante do apelo às emoções e às crenças intersubjetivas. Esse fenômeno se manifesta principalmente nas redes sociais, onde algoritmos favorecem a criação de câmaras de eco, que ressoam apenas as informações identificadas com as preferências de cada usuário e tornam invisíveis as informações que estejam fora desse campo de interesses previamente manifestados. Assim, o alcance de informações partidarizadas ou com teor ideológico pode ser ampliado, influenciando a percepção do público sobre a realidade. Nesse cenário, grupos como o Movimento Brasil Livre ocupam as redes sociais para disseminar informações apoiadas em fatos imprecisos e por vezes inverídicos, em torno das quais buscam dar visibilidade e arregimentar seguidores para suas causas e interesses políticos, travando uma batalha contra o modelo jornalístico tradicional e seu compromisso com a verdade.


Palavras-chave


Pós-verdade. Fake news. Jornalismo. Mídia. Redes sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Ana Luiza. De olho em 2018, MBL aposta em apelo emocional e ataques à imprensa. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 set. 2017. Seção Poder. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

ALLCOTT, H.; GENTZKOW, M. Social Media and Fake News in the 2016 Election. Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 2, p. 211–236, 2017. Disponível em: . Acesso em: 3 nov. 2017.

BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002.

BELDA, F. R.; PERIN, L. Ciberativismo e coletivos brasileiros em redes sociais: práticas de formação cidadã ou antagonismo político? Razón y Palabra, [S.l.], v. 21, n. 2_97, p. 441-458, jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Comunicação Social.

Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília, 2016, v. 1. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2018.

CORNU, Daniel. Jornalismo e Verdade: para uma ética da informação. Tradução: Armando Pereira da Silva. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

D’ANCONA, Matthew. Post Truth: the new war on truth and how to fight back. Londres: Ebury Press, 2017.

FISHER, M.; COX, J. W.; HERMANN, P. Pizzagate: From rumor, to hashtag, to gunfire in D.C. The Washington Post, Washington, 6. Dec. 2016. Seção Local. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2018.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução: Roberto Machado. 13ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Diretoria de Análise de Políticas Públicas. Robôs, Redes Sociais e Política no Brasil: estudo sobre interferências ilegítimas no debate público na web, riscos à democracia e processo eleitoral de 2018. Rio de Janeiro, 20 ago. 2017, v. 1. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2018.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez, 2017.

HARDT, Michael e NEGRI, Antônio. Multidão: guerra e democracia na era do império. Tradução: Clovis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2005.

INTERNET lança campanha para que ninguém assista a Globo no Dia da Criança. Jornalivre, [S.l.], 11 out. 2017. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2017.

NIELSEN, R. K.; GRAVES, L. News you don’t believe: audience perspectives on fake news. Reuters Institute for the Study of Journalism, Oxford, Oct. 2017. Factsheet. Disponível em: < https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/2017-10/Nielsen%26Graves_factsheet_1710v3_FINAL_download.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2018.

PARK, R. E. As notícias como uma forma de conhecimento: um capitulo na sociologia do conhecimento. In: Pissarra Esteves, João (Org.). Comunicação e sociedade: os efeitos sociais dos meios de comunicação de massa. Lisboa: Livros Horizonte, 2009.

SILVA, T.; STABILE, M. Análise de redes em mídias sociais. In: SILVA, T.; STABILE, M. (Org.). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016.

SHEARER, E.; GOTTFRIED, J. News Use Across Social Media Platforms 2017. Pew Research Center, Washington, Sept. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2018.

TOLEDO, José Roberto. Livre, influente e solto. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 set. 2017. Seção Política. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2017.

ZUCKERMAN, Ethan. Cada macaco no seu galho. Tradução: Paulo Migliacci. Folha de São Paulo, São Paulo, 24 set. 2017. Ilustríssima, p. 6-7.




DOI: https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2018v22n45p163-178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

                     


Revista Scripta e-ISSN: 2358-3428 (OJS)

DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.2358-3428

Endereço: Av. Dom José Gaspar, 500 - Prédio 20 - sala 109 

Coração Eucarístico - Belo Horizonte/MG - CEP: 30535901 

Telefone geral: (31) 3319-4369

 

Licença: 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Nossos indexadores, bancos de dados e repositórios: