Adaptação de plano de ensino para apropriação do gênero “vídeo projeto” em aulas de língua inglesa no ensino superior

  • Rubens Fernando de Souza Lopes Instituto Federal de São Paulo (IFSP)
Palavras-chave: Gênero oral, Língua inglesa, Material, Adaptação, Ensino superior

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal demonstrar como um plano de ensino de língua inglesa foi adaptado para incluir o estudo do gênero discursivo “vídeo projeto”, presente em páginas virtuais de financiamento coletivo, percebido como uma necessidade a ser satisfeita por alunos de uma Faculdade de Tecnologia pública. Este é um recorte de uma Pesquisa Crítica de Colaboração que se fundamenta principalmente em Bakhtin (1952-1953/2016; 1953/1997), Newman e Holzman (1993/2002) e Vygotsky (1966/2007). Os resultados demonstram como o plano de ensino foi adaptado, observando tanto o conteúdo do material já adotado pela instituição de ensino quanto o estudo de um gênero discursivo, tendo como base o conceito de performance (dramatização).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens Fernando de Souza Lopes, Instituto Federal de São Paulo (IFSP)

Instituto Federal de São Paulo (IFSP), campus Jacareí. Doutor e mestre em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP (2017/2009). Especialista em Língua Inglesa, licenciado em Letras e graduado em Administração. Estágio doutoral como bolsista Fulbright/CAPES na Universidade de Rutgers (the State University of New Jersey, 2015-2016). Membro do grupo ILCAE/PUC-SP (Inclusão Linguística em Cenários de Atividades Educacionais).

Referências

ANJOS-SANTOS, Lucas M. et al. Uma proposta de planejamento de ensino de língua inglesa em torno de gêneros textuais. Letras, Santa Maria, v. 20, n. 40, p. 191-215, jan./jun. 2010.

BAKHTIN, Mikhail M. (1953). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail M. (1952-1953). Os gêneros do discurso. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. (2001) Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentaçã o de um procedimento. In: DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Mercado de Letras: Campinas. 2004. p. 95-128.

GERONE-JUNIOR, A. Desafios ao educador contemporâneo: perspectivas de Paulo Freire sobre a açã o pedagógica de professores. Curitiba: Intersaberes, 2016.

GLUSBERG, J. A arte da performance. Trad. Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GRANT, David; Hughes, John; Turner, Rebecca. Business Result. Elementary. Student’s book. Oxford: OUP, 2009.

LARSEN-FREEMAN, Diane. Techniques and principles in language teaching. 2nd. China: Oxford University Press, 2008.

LEFFA, Vilson J. Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, Hilário I.; VANDRESEN, Paulino. Tópicos em linguística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis, SC: Ed. da UFSC, 1988. p. 211-236.

LIBERALI, Fernanda C. Atividade social nas aulas de língua estrangeira. São Paulo: Moderna, 2009.

LOBMAN, Carrie; LUNDQUIST, Matthew. Unscripted learning: using improv activities across the K-8 curriculum. New York: TC Press, 2007.

LOPES, Rubens F. S. A agência relacional em aulas de inglês baseadas em performance. In: CHAO, Vicente López; GONZÁLEZ, Pilar Sánchez; NICOLÁS, Ana Botella. (org.). Contenidos Universitarios Innovadores, Barcelona, v. 1, p. 31-46, 2018.

LOPES, Rubens F. S. A colaboração para o desenvolvimento do repertório linguístico em atividades de performance teatral e reflexão em aulas de inglês no ensino superior tecnológico. 2017. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – LAEL, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2017.

LOPES, Rubens F. S. Material didático de língua inglesa: uma possível ferramenta para a inclusão de alunos em situação de risco no processo de ensino-aprendizagem. The ESPecialist, [s. l.], v. 37, p. 87-111, 2016.

MAGALHÃES, Maria Cecília C.; FIDALGO, Sueli S. Critical collaborative research: focus on the meaning of collaboration and on mediational tools. RBLA, Belo Horizonte, v. 10, n. 3, p. 773-797, 2010.

NEWMAN, Fred. Performance of a lifetime: a practical-philosophical guide to the joyous life. New York: Castillo International, Inc., 1996.

NEWMAN, Fred; HOLZMAN, Louis. (1993). Lev Vygotsky: cientista revolucionário. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

SERRES, Michel. Polegarzinha. Tradução Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

VAN OERS, Bert; DUIJKERS, Debbie. Teaching in a play-based curriculum: theory, practice and evidence of developmental education for young children. Journal of Curriculum Studies, [s. l.], v. 45, n. 4, p. 511-534, 2013.

VYGOTSKY, Lev S. Educational psychology. Boca Raton, FL: St Lucie Press, 1997.

VYGOTSKY, Lev S. (1966). O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: COLE, M. et al. Formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007. p. 107-124.

VYGOTSKY, Lev S. (1934) Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WHITEBREAD, David et al. The importance of play. A report on the value of children’s play with a series of policy recommendations. University of Cambridge, 2012.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Lopes, R. F. de S. (2021). Adaptação de plano de ensino para apropriação do gênero “vídeo projeto” em aulas de língua inglesa no ensino superior. Scripta, 25(53), 679-705. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p679-705