A competição entre Simple Past e Present Perfect no inglês estadunidense: um estudo de caso sobre o perfect de resultado

  • Adriana Lessa UFBA
  • Leonardo Cabral UFRJ
Palavras-chave: Resultado, Resultativo, Perfect, Present Perfect, Simple Past

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a competição entre Present Perfect e Simple Past na expressão do aspecto perfect resultativo na língua inglesa. Testa-se a hipótese de que, no inglês estadunidense (AmE), contextos de transição, com estado-alvo resultante relevante no presente (compatíveis com resultativos fortes), são representados linguisticamente pelo Simple Past preferencialmente. Para tanto, adota-se como metodologia um estudo de caso triplo com base em um experimento de produção semiespontânea que elicita resultativos fortes. Os dados indicam variação morfológica na descrição de situações resultativas fortes, com preferência pelo uso do Simple Past, logo, a hipótese não foi refutada. O Simple Past assume a forma default, pois seu uso prevalece mesmo quando o contexto indica continuação e relevância do resultado no presente. Todavia, o uso do Present Perfect foi favorecido em situações cujo estado resultante é condição para uma demanda prévia por ação do interlocutor, especificamente, quando não há outra marcação linguística de causalidade.

Biografia do Autor

Adriana Lessa, UFBA

Doutora em Linguística, professora adjunta de Inglês do Departamento de Letras e Comunicação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), vinculada ao Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS), em exercício provisório na Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

COMRIE, B. Aspect. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.
LESSA, A.; SALGADO, M. Aspect in the English language: a comparative analysis of form and meaning in traditional descriptive grammars. DELTA, São Paulo , v. 35, n. 4, e2019350401, 2019. Disponível em . Acesso em 30 abr. 2020.
LEECH, G. Meaning and the English Verb (3rd edition). Harlow, England: Longman. 2004.
IATRIDOU, S.; ANAGNOSTOPOULOU, E.; IZVORSKI, R. Observations about the form and meaning of the Perfect. In: ALEXIADOU, A.; RATHERT, M.; VON STECHOW, A. (Eds.). Perfect Explorations. Berlin: Mouton de Gruyter, 2003. p. 153-205.
MACHADO, F. As realizações morfossintáticas do perfect existencial no inglês americano. 2019. 27f. Monografia (Graduação em Licenciatura em Letras na habilitação Português/Inglês) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019. Disponível em . Acesso em 30 abr. 2020.
MATOS, A. O aspecto perfect no português do Brasil (PB): uma análise do subtipo perfect de resultado. In: 7a Semana de Integração Acadêmica da UFRJ, 2016.
MICHAELIS, L. The Ambiguity of the English Present Perfect. Journal of Linguistics, [s. l.], v. 30, n. 1, p. 111-157, mar. 1994.
MITTWOCH, A. The English Resultative perfect and its relationship to the Experiential perfect and the simple past tense. Linguistics and Philosophy, [s. l.], v. 31, n. 3, p. 323-351, 2008.
MUELLER, C. A Semantic Account of The English Preposition FOR Based on a Cognitive Linguistics Framework. The Bulletin of the Faculty of Humanities, [s. l.], v. 53, p. 1-24, 2016.
NASCIMENTO, R. Aspecto Perfect no Inglês Americano: uma Análise do Subtipo perfect de resultado. In: 8a Semana de Integração Acadêmica da UFRJ, 2017.
PARSONS, T. Events in the Semantics of English: A Study in Subatomic Semantics. Cambridge: MIT Press, 1990. 334 p.
PORTNER, P. The (Temporal) Semantics and (Modal) Pragmatics of the Perfect. Linguistics and Philosophy, [s. l.], v. 26, p. 459-510, 2003.
QUIRK, R. et al. A grammar of Contemporary English. Harlow: Longman, 9ª ed., 1980.
SCHADEN, G. Present perfects compete. Linguistics and Philosophy, [s. l.], v. 32, p. 115-141, 2009.
YOON, Y. The English present perfect and simple past tense. Linguistic Research, [s. l.], v. 29, n. 3, p. 485-513, 2012.
Publicado
23-09-2020
Como Citar
Lessa, A., & Cabral, L. (2020). A competição entre Simple Past e Present Perfect no inglês estadunidense: um estudo de caso sobre o perfect de resultado . Scripta, 24(51), 136-172. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n51p136-172