Colocação pronominal e ensino de português: possibilidades metodológicas para a educação básica

  • Mirian Santos de Cerqueira Universidade Federal de Goiás
  • Leosmar Aparecido Silva Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Ensino de português, Português brasileiro, Clíticos pronominais

Resumo

Este artigo tem como objetivo central apresentar uma possibilidade metodológica de abordagem da colocação pronominal em aulas de língua portuguesa para o ensino básico. Em relação à metodologia, inicialmente, fizemos uma ampla revisão de literatura sobre os clíticos pronominais no português brasileiro; em seguida, selecionamos dois textos literários e uma tira humorística para analisar seus aspectos gramaticais e discursivos, especialmente, os relacionados ao uso dos clíticos, ao mesmo tempo em que problematizamos a transposição didática da análise ao ensino de língua portuguesa. Os resultados mostraram que, nas aulas de língua portuguesa, é possível avançar para além das regras gramaticais prescritivas, valorizar diferentes manifestações de uso da língua e integrar as frentes de língua portuguesa. Estudos como o desenvolvido neste artigo podem contribuir para a reflexão sobre a relação entre gramática, leitura e produção textual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirian Santos de Cerqueira, Universidade Federal de Goiás

É Professora Associada 1 do Curso de Licenciatura em Letras: Português e do Curso de Bacharelado em Linguística da Universidade Federal de Goiás, Campus de Goiânia, e atualmente ocupa o cargo de Chefe do Departamento de Linguística e Língua Portuguesa (DELP), atuando nas áreas de Sintaxe, Sintaxe do Português, Introdução aos Estudos da Linguagem, Psicolinguística e Estágio de Português. Possui graduação em Letras (habilitação português/inglês) pela Universidade Federal de Alagoas (2001), mestrado em Linguística (2003) e doutorado em Linguística (2009), ambos pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas. Realizou um estágio de doutoramento em Linguística, financiado pela CAPES (processo: BEX 129506-3), na Universidade Nova de Lisboa, sob a orientação do Prof. Dr. João Costa, no período de outubro de 2006 a novembro de 2007. No período de setembro de 2017 a junho de 2018, realizou Estágio de Pós-Doutorado (PUC-Rio), na área de Psicolinguística Experimental, sob a supervisão da Profa. Dra. Erica Dos Santos Rodrigues. 

Leosmar Aparecido Silva, Universidade Federal de Goiás

Professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás. Doutor em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Mestre em Letras e Linguística também pela UFG. É graduado em Letras pela Universidade Federal de Goiás. Em 2018, concluiu pós-doutorado na Universidade Federal do Ceará. Desenvolve pesquisas na área de descrição de línguas naturais, especificamente, do português contemporâneo falado no Brasil, e também sobre ensino de Língua Portuguesa.

Referências

ANDRADE, O. de. Pronominais. In: Pau-Brasil. 2 ed. São Paulo: Globo, 2003, p. 167.

AVELAR, J. O. Saberes gramaticais na escola. São Paulo: Pontes, 2017.

BARROS, D. M. de. Aspectos funcionais relativos ao (des)uso do reflexivo no dialeto goiano. 2011. 2011. Dissertação (Programa de Pós Graduação em Letras e Linguística) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

BASSO, R. M. Descrição do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2019.

BIAZOLLI, C. C. Posição de clíticos pronominais em duas variedades do português: inter-relações de estilo, gênero, modalidade e norma. 2016. 381f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Unesp, Araraquara, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3º e 4º ciclos do ensino fundamental. Brasília: SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2020.

CORALINA, C. Sequências. In: CORALINA, C. Melhores poemas. Seleção de Darcy França Denófrio. São Paulo: Global, 2004. p. 92.

GALVES, C. Ensaios sobre as gramáticas do português. Campinas, SP: Unicamp, 2001.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HOLANDA, C. B. de. Os saltimbancos. 1977. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/os-saltimbancos/173787/>. Acesso. 30 jun. 2020.

ILARI, R. A linguística e o ensino da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2014.

KATO, M. A. A gramática do letrado. Unicamp. Ms., 2004.

KATO, M. A. A gramática do letrado: questões para a teoria gramatical. In: MARQUES, M. A. et al. (org.). Ciências da linguagem: 30 anos de investigação e ensino. Braga: Centro de Estudos Humanísticos (Universidade do Minho), 2005. p. 131-145.

KATO, M. A. A variação no domínio dos clíticos no Português Brasileiro. Linguística 33, [s. l.], v. 1, p. 135-152, jun. 2017.

LAERTE. Me diga uma coisa. Folha de S. Paulo. 2014. Disponível em: <https://wordsofleisure.com/2014/03/02/tirinha-do-dia-me-diga-uma-coisa/>. Acesso: 3 ago. 2020.

MAGALHÃES, T.M.V. Aprendendo o sujeito nulo na escola. 2000. 90f. Dissertação de Mestrado. Unicamp: Campinas, SP, 2000.

MARCILESE, M. Aquisição de complementos pronominais acusativos: um estudo experimental contrastivo entre o Português Brasileiro e o Espanhol Rio-Platense. 2007. 155f. Dissertação (Mestrado em Letras) - PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2007.

MARTINS, A. M. Clíticos na história do português. 1994. 628f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1994.

MENDES, M. das D. N.; ALEXANDRE, A. B. A intervocalidade mostrada em canções para crianças. Discursividades, [s. l.], v. 2, n. 1, p. 7-27, mar. 2018.

MIÚCHA. A obra marcou gerações porque falava de questões que estão inseridas na sociedade: exploração, liberdade, união, justiça... Revista Crescer, 22 mar. 2017. Entrevista concedida a Renata Menezes. Disponível em: <https://revistacrescer.globo.com/Saltimbancos-40-anos/noticia/2017/03/obra-marcou-geracoes-porque-falava-de-questoes-que-estao-inseridas-na-sociedade-exploracao-liberdade->. Acesso em: 30 jun. 2020.

NEVES, M. H. de M. Que gramática estudar na escola? Norma e uso na língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2004.

NEVES, M. H. de M. A gramática do português revelada em textos. São Paulo, SP: Editora Unesp, 2018.

NUNES, J. Triangulismos e a sintaxe do português brasileiro. In: CASTILHO, A. de et al. (org.). Descrição, aquisição e história do português brasileiro. Campinas, SP: Pontes/FAPESP, 2007. p. 25-33.

OLIVEIRA, M. de. Ensino de língua portuguesa: os clíticos acusativos. s/d. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2020.

PAGOTTO, E. Clíticos, mudança e seleção natural. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 185-206.

PILATI, E. Linguística, gramática e aprendizagem ativa. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

POSSENTI, S. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

SALLES, H. M. M. L. Ensino de Língua Portuguesa: aspectos teóricos e metodológicos do ensino de gramática. Uma entrevista com a Professora Heloísa Maria Moreira Lima Salles (Entrevista concedida em 29 de maio de 2017). Revista PerCursos,. Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 182-193, maio/ago. 2017. Entrevistadores: Lucilene Lisboa de Liz, Dalva Maria Alves Godoy e Marco Antonio Martins.

SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 155-178.

SOARES, E. C.; RIBEIRO, P. N. O status dos clíticos no português brasileiro: análise de algumas de suas propriedades em HPSG. ReVEL, [s. l.], edição especial, n. 5, 2011.

TARALLO, F. A. Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d’aquém e d’além mar no final do século XIX. In: ROBERTS, I.; KATO, M. A. (org.). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 69-105.

VIEIRA, S. R. Colocação pronominal. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2008. p. 121-146.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Cerqueira, M. S. de, & Silva, L. A. (2021). Colocação pronominal e ensino de português: possibilidades metodológicas para a educação básica. Scripta, 25(53), 618-651. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p618-651