A forma atravessada na garganta: os metasonetos de Daniel Jonas e Paulo Henriques Britto

  • Roberto Bezerra de Menezes Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Soneto, Poesia Portuguesa, Poesia Brasileira, Modernidade, Metapoesia

Resumo

O surgimento do soneto como forma literária remonta ao século XIII, período em que, ao sul da Itália, nomeadamente a região da Sicília, era larga a influência da lírica de origem provençal. De apelo matemático, a invenção do soneto é atribuída a Giacomo da Lentini, chefe da escola siciliana do Sacro Imperador Romano Frederico II. O presente texto tem como objetivo principal a justaposição de duas poéticas, a do português Daniel Jonas e a do brasileiro Paulo Henriques Britto, de modo a fazer ressaltar as distinções no tratamento metapoético dispensado ao soneto e a outras formas que dele derivam.

Referências

AUERBACH, Erich. Introdução aos estudos literários. Tradução de José Paulo Paes. Posfácio de Marcus Mazzari. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução e notas de Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
BOCAGE, Manuel Maria Barbosa du. Poesia. Organização de Leodegário A. de Azevedo Filho. Rio de Janeiro: Agir, 1985. (Coleção Nossos Clássicos, v. 115)
BUARQUE, Jamesson. Soneto como variação fixa formal. Revista Texto Poético, Goiânia, v. 11, n. 19, p. 41-72, 2º sem. 2015. Disponível em: http://textopoetico.emnuvens.com.br/rtp/article/view/324. Acesso em: 14 fev. 2020.
BRITTO, Paulo Henriques. Formas do nada. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
BRITTO, Paulo Henriques. Macau. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
BRITTO, Paulo Henriques. Matador de passarinho. Entrevistador: Skylab. Veiculado no Canal Brasil, no dia 08 de julho de 2013a. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Rqwzq0_FNZM. Acesso em 09 out. 2019.
BRITTO, Paulo Henriques. Mínima lírica. São Paulo: Companhia das Letras, 2013b.
BRITTO, Paulo Henriques. Tarde. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
BRITTO, Paulo Henriques. Trovar claro. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
CAMÕES, Luís de. Lírica completa II (Sonetos). 2ª ed, revista. Prefácio e notas de Maria de Lourdes Saraiva. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1980. v. 2.
CANTINHO, Maria João. Recessão crítica a Nó – Sonetos, de Daniel Jonas. Colóquio/Letras, Lisboa, n. 190, set. 2015. p. 191-194.
ELIOT, T. S. Tradição e talento individual. In: Ensaios. Tradução de Ivan Junqueira. São Paulo: Art Editora, 1989. p. 37-48.
GUERREIRO, António. Versos de puro nada. Público, Ípsilon, Lisboa, 08 ago. 2014, s.p. Disponível em: https://www.publico.pt/2014/08/08/culturaipsilon/critica/versos-de-puro-nada-1665582. Acesso em: 02 out. 2018.
JONAS, Daniel. Daniel Jonas: o antiquado que é o mais alto da poesia portuguesa. Entrevista a Joana Emídio Marques. Observador, Caderno Cultura, Lisboa, 20 abr. 2017. Disponível em: https://observador.pt/2017/04/20/daniel-jonas-o-antiquado-que-e-o-mais-alto-da-poesia-portuguesa/. Acesso em: 11 out. 2018.
JONAS, Daniel. Nó – sonetos. Porto: Assírio & Alvim, 2014.
JONAS, Daniel. Os fantasmas inquilinos. Lisboa: Cotovia, 2005.
JONAS, Daniel. Resposta ao Inquérito Poesia e Resistência (Portugal) realizado por Ana Luísa Amaral, Joana Matos Frias, Pedro Eiras e Rosa Maria Martelo. LyraCompoetics / Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, 2012. Disponível em: http://ilcml.com/inquerito-poesia-e-resistencia-portugal/. Acesso em: 28 ago. 2019.
JONAS, Daniel. Sonótono. Lisboa: Cotovia, 2007.
MEIRIM, Joana. Comentário a “Soneto não me mintas, não me inventes.”, de Daniel Jonas. Jogos florais. 27/01/2018. Disponível em: https://www.jogosflorais.com/poemas-de-agora/2018/1/27/soneto-no-me-mintas-no-me-inventes?rq=daniel%20jonas. Acesso em: 20 jun. 2019.
MILTON, John. The poems of John Milton. Edição de John Carey e Alastair Fowler. Londres: Longmans, 1968.
SANTOS, Anabela. Alumni (Daniel Jonas). Campus U.Porto, n. 1, p. 8-11, 2017. Disponível em: https://issuu.com/uporto/docs/campus_up_1/8. Acesso em: 07 out. 2019.
SARAIVA, António José. Introdução à literatura portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
SECCHIN, Antônio Carlos. Paulo Henriques Britto, desleitor de João Cabral. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, n. 85, p. 313-317, Dec. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142015000300020&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 Set. 2020.
VALÉRY, Paul. Degas dança desenho. Tradução de Christina Murachco e Célia Euvaldo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
VERLAINE, Paul. Art poétique/Arte poética. Tradução de Augusto de Campos. In: CAMPOS, Augusto de. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986. p. 146-149.
Publicado
18-12-2020
Como Citar
Menezes, R. B. de. (2020). A forma atravessada na garganta: os metasonetos de Daniel Jonas e Paulo Henriques Britto. Scripta, 24(52), 91-118. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n52p91-118