Contribuições para a autonomia no aprendizado de português como língua de acolhimento): a história de uma mulher imigrante venezuelana

  • Rosana Iriani Daza de Garcia UFMS

Resumo

Este artigo tem como objetivo tentar ressignificar a compreensão acerca de língua de acolhimento ao relatar minha experiência como imigrante venezuelana e aprendiz de língua portuguesa no Brasil, a partir de teóricos como Monte Mór, Cervetti, Pardales, Damico (2001), Pennycook (2007), entre outros. Dialogo com algumas estratégias usadas durante o processo da minha adaptação no novo país, no qual pude desenvolver autonomia e diversas capacidades para aprender uma língua adicional/estrangeira como o português. Reflito sobre aspectos como cultura, identidade e algumas estratégias de estudo que podem ser utilizadas de forma autodidata na vida cotidiana de um imigrante para a construção de sentidos. Como resultado, ressalto que a construção de sentido sem depender totalmente de instrução formal, pode ampliar pesquisas e formação cidadã continuada acerca de língua de acolhimento, a partir da iniciativa de socialização e criatividade por parte do imigrante no país em que passou a residir. Dessa forma, espero contribuir para este tema relevante aos estudos linguísticos aplicados em contextos migratórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Iriani Daza de Garcia, UFMS

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Letras pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Doutoranda em Estudos da Linguagem na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em Campo Grande e professora substituta da mesma Universidade em Aquidauana.

Referências

AGENCIA DE LOS ESTADOS UNIDOS PARA EL DESARROLLO INTERNACIONAL (USAID). BANCO INTERAMERICANO DE DESARROLLO (BID). JuntosEsMejor Challenge. Usaid. Disponible en: <https://www.usaid.gov/JuntosEsMejorVE>. Acceso en: 01 jun. 2020.

ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS REFUGIADOS (ACNUR). Com apoio da ONU 100 venezuelanos viajam de Boa Vista a Dourados neste sábado. Nações Unidas, 01 fev. 2019. Disponible en: <https://nacoesunidas.org/com-apoio-da-onu-100-venezuelanos-viajam-de-boa-vista-dourados-neste-sabado/>. Acceso em: 10 ago. 2020.

ARAÚJO, V. Imigração venezuelana revela um Brasil “de costas” para a América Latina. Jornal Dourados News. Dourados, 14 ago. 2019. Disponible en: <https://www.douradosnews.com.br/dourados/imigracao-venezuelana-revela-um-brasil-de-costas-para-a-america/1110157/>. Acceso en: 20 setembro. 2020.

BHABHA, H. K. The location of Culture. London and New York: Routledge, 1994.

BAENINGER, R. (coord.). Migrações Venezuelanas. Campinas, SP: Núcleo de estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018.

CANAGARAJAH, S. Translingual Practice: Global Englishes and Cosmopolitan Relations. London, New York: Routledge, 2013.

CANAGARAJAH, S. Translingual Practices and Neoliberal Policies. Attitudes and Strategies of African Skilled Migrants in Anglophone Workplaces, 2017.

CARACTERIZACIÓN demográfica de la población migrante venezolana en Colombia. Observatorio Proyecto Migración Venezuela. 22 abr. 2020. Disponible en: <https://migravenezuela.com/web/articulo/cuantos-son-y-donde-estan-losvenezolanos-en-colombia-/1636>. Acceso en: 15 agosto. 2020.

FREIRE, P. Carta de Paulo Freire aos professores. Ensinar, aprender: leitura do mundo, leitura da palavra. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 42, maio-ago. 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GARCIA, O. Bilingual Education in the 21st Century: A Global Perspective. Malden, MA and Oxford: Basil/Blackwell, 2009.

(IMIGRAÇÃO VENEZUELANA). Disponible en: periódico El progresso, Edición especial, p. 20, publicado el 19/20.12.2019.

JANKS, H. Literacy and power. New York: Routledge, 2010.

LANKSHEAR, C. A new literacies sampler. New literacies and digital epistemologies, New York, Washington, v. 29, 2007.

LANKSHEAR, C; KNOBEL, M. New Literacies: Everyday practices and classroom learning. 2. ed. Glasglow: McGraw-Hill, Open University Press, 2006.

LUKE, A. Critical literacy: Foundational notes. Theory into practice, v. 51, n. 1, p. 04-11, 2012.

MONTE MÓR, W.; MORGAN, B. Between conformity and critique. Teaching volunteerism, “activism” and active citizenship: Dangerous pedagogies? Interfaces Brasil-Canadá, Canoas, ed. 14, v. 2, p. 16-35, 2014.

MORANDI, M. Dourados cria força tarefa para atendimento de imigrantes. Jornal Midiamax. 25 jul. 2020. Disponible en: <https://www.midiamax.com.br/cotidiano/2020/dourados-cria-forca-tarefa-para-atendimento-de-imigrantes>. Acceso en: 05 agosto. 2020.

NUNES, Cristina. Venezuelanos colocam Dourados em destaque no ranking de imigrantes. O progresso. Dourados, n. 84, ed. especial, p. 19, 19/20 dez. 2019a. Disponível em: https://issuu.com/progresso/docs/13607. Acesso em: 03 fev. 2020.

ONU. Com apoio da ONU, 100 venezuelanos viajam de Boa Vista a Dourados neste sábado. 2 fev. 2019. Disponible en: <https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2019/02/com-apoio-da-onu--100-venezuelanos-viajam-de-boa-vista-a-dourados-neste-sbado-2.html>. Acceso en: 10 ago. 2020.

PENNYCOOK, A. Global Englishes and transcultural flows. London/New York: Routledge. 2007.

PENNYCOOK, A. The Concept of Method Interested Knowledge, and the Politics of Language Teaching. Tesol. Quarterly, v. 23, n. 4, dec. 1989.

RAJAGOPALAN, K. A construção de identidades: linguística e a política de representação. In: RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 71-76.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: ética linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ROMÃO, J. E.; GADOTTI, M. Paulo Freire e Amílcar Cabral: a descolonização das mentes. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2012. Disponible en: <http://projetos.paulofreire.org:8080/jspui/bitstream/7891/508/3/FIPF_2012_EDL_01_003.pdf>. Acceso en: 03 fev. 2020.

SOUSA, L. T. M. de. Cultura, língua e emergência dialógica. Letras & Letras, Uberlândia, v. 26, n. 2, jul./dez., 2010. p. 296.

SOUSA, L. T. M. Epistemologías del Sur. In: MENESES; BIDASECA. (org.). Epistemologías del Sur - Epistemologias do Sul 1. ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Coímbra: Centro de Estudos Sociais - CES, 2018.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução: Marcos Bagno. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2014.

TAKAKI, N. H. Futebol, linguagens e sociedade. In: TAKAKI, N. H.; MACIEL, R. F. (org.). Letramentos em terra de Paulo Freire. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014.

WALSH, C. Interculturality and decoloniality. In: MIGNOLO, W. D.; WALSH, C. On decoloniality. Concepts. Analytics. Praxis. Durham, London: Duke University Press, 2018, p. 357-80.

WEI, L. Translanguaging as a Practical Theory of Language. Applied Linguistics, Reino Unido, Oxford University Press, 1. ed., v. 39, feb., p. 9-30, 2018.

YIP; GARCIA, Translinguagens: recomendações para educadores. Iberoamerica Social: revista-red de estúdios sociales IX, pp. 164-177, 2018.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Garcia, R. I. D. de. (2021). Contribuições para a autonomia no aprendizado de português como língua de acolhimento): a história de uma mulher imigrante venezuelana. Scripta, 25(53), 42-68. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p42-68