Política linguística exterior brasileira e política linguística francesa em contato: o caso do português como língua de herança (PLH) no dispositivo Intervenant en Langue Maternelle na Guiana Francesa

  • Karen Kennia Couto Silva Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: PLH, Política Linguística, Didática do bi/plurilinguismo, Bilinguismo, Guiana Francesa

Resumo

O ensino do português como língua de herança (PLH) tem recebido, nos últimos anos, muita atenção dos pesquisadores. No âmbito político-institucional, o ensino do português para falantes de outras línguas também tem tido especial atenção dos tomadores de decisão no âmbito da política linguística, preocupados não somente como o desenvolvimento escolar do aluno, mas também focados no aspecto formativo integral desse aluno. Dentro desse contexto, podemos dizer que é nas regiões fronteiriças que essas dinâmicas se mostram presentes e ainda mais intensas, sendo comum que a população dessas regiões seja notadamente multilíngue e plurilíngue. Esse é o caso, em especial, da fronteira norte do Brasil, no estado do Amapá, com a Guiana Francesa, onde se registra o contato entre o português e o francês. Desse modo, o objetivo deste estudo é apresentar o dispositivo de política linguística Intervenant en Langue Maternelle (ILM), como uma possibilidade de ensino de PLH integrada ao sistema de ensino francês em favor de alunos que têm o português como língua materna (L1) ou língua de herança (LH). Após apresentarmos o dispositivo, iremos discutir como a Proposta curricular para o ensino de português como língua de herança (BRASIL, 2020b), do Ministério das Relações Exteriores, pode servir como um documento de referência para subsidiar o trabalho dos professores nas classes de ILM. Por fim, teceremos considerações acerca do exposto no artigo, buscando sugerir pontos de observação e melhoria para o ensino-aprendizagem de PLH na Guiana Francesa com base nas propostas curriculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Kennia Couto Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Francês Língua Estrangeira (FLE) pela Université Stendhal - Grenoble 3 (2011-2013), doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutora em Linguística pela Université de Guyane (UG). É atualmente leitora de língua portuguesa na Université Sorbonne-Nouvelle

Referências

ACADÉMIE DE GUYANE. Cadre réglementaire et didactique des habilitations à enseigner une/en L1. 2021 Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/Habilitation-a-enseigner-une-en-L1.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Carte des langues - portugais. 2020. Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/-Carte-des-langues-.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Carte des langues - portugais - zone Est. 2020 Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/Carte-des-langues-le-portugais-zone-Est-Guyane.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Circulaire sur le fonctionnement des classes de langues maternelles 2018. Lettre de cadrage du 18 juillet 2018. Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/Lettres-de-cadrage-et-ou-de-mission-des-ILM.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Compte rendu G.R.Ac (Groupe Recherche action) langues de l’est guyanais 2020: Bilan atelier portugais L1 du 2 & 3 mars 2020 (Annexe 2). 2020. Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/G-R-Ac-langues-de-l-est-guyanais-2020.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Le livret de l’Intervenant en Langue Maternelle (version décembre 2018). Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/LE-LIVRET-DE-L-INTERVENANT-EN-LANGUE-MATERNELLE.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Portal oficial da Education Prioritaire de Guyane 2020. Disponível em: https://educ-prioritaire.ins.ac-guyane.fr/IMG/pdf/00-flyer_ilm_2015-150120.pdf. Acesso em: 6 mar. 2021.

ACADÉMIE DE GUYANE. Référentiel métier de l’intervenant en langue maternelle. 2019. Disponível em: https://langues-de-guyane.ins.ac-guyane.fr/REFERENTIEL-METIER-DE-L-INTERVENANT-EN-LANGUE-MATERNELLE.html. Acesso em: 6 mar. 2021.

ALVAREZ, Maria Luisa Ortiz; GONÇALVES, Luís. O mundo do Português e o Português no mundo afora: especificidades, implicações, ações. Campinas, SP: Editora Pontes, 2016. p. 201-230.

BORUCHOWSKY, Ivian Destro. O que são falantes de herança? Como manter e desenvolver o português como língua de herança: sugestões para quem mora fora do Brasil. Miami: Must University, 2016. Cap. 2, p. 11-13.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Portal consular: Guiana Francesa. Disponível em: http://www.portalconsular.itamaraty.gov.br/seu-destino/guiana-francesa#comunidade-brasileira-e-principais-destinos. Acesso em: 6 mar. 2021.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Proposta curricular para o ensino de português como língua de herança. Brasília, 2020b. Disponível em: http://funag.gov.br/biblioteca/index.php?route=product/product&product_id=1039. Acesso em: 6 mar. 2021.

CONSEIL DE L’EUROPE. Cadre européen commun de reference: apprendre, enseigner, évaluer. Disponível em: https://rm.coe.int/16802fc3a8. Acesso em: 6 mar. 2021.

FRANCE. Rapport à monsieur le directeur général de l’enseignement scolaire: évaluation des dispositifs favorisant la prise en compte des situations de plurilinguisme mis en place dans les académies d’Outre-mer et à Wallis-et-Futuna. 2020. Disponível em: https://www.education.gouv.fr/evaluation-des-dispositifs-favorisant-la-prise-en-compte-des-situations-de-plurilinguisme-dans-les-308428. Acesso em: 6 mar. 2021.

GARCÍA, Ofelia. Bilingual education in the 21st century: a global perspective. Oxford: Wiley-Blackwell, 2009.

LÉGLISE, Isabelle. Recherches guyanaises: langues parlées en Guyane. Repértoire linguistique, 2013. Disponível em: https://www.vjf.cnrs.fr/sedyl/Isabelle_L%C3%A9glise/guyane/spip.php?article2&lang=fr. Acesso em: 6 mar. 2021.

MENDES, Edleise. Vidas em Português: perspectivas culturais e identitárias em contexto de português língua de herança. Platô, [s. l.], v. 1, n. 2, p. 20-31, 2012.

MORINI, Andreia. O papel do progenitor não brasileiro na transmissão do PLH: suas práticas linguísticas e o impacto na proficiê ncia dos filhos. Domínios da linguagem, Uberlândia, v. 12, n. 2, abr.-jun. 2018.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Linguistics and the myth of nativity: comments on the controversy over “new/non-native Englishes”. Journal of Pragmatics, v. 27, p. 225-231, 1997.

SILVA, Karen Kênnia Couto. As políticas linguísticas do português na Guiana Francesa: quem planeja o quê, para quem e como? Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) –Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

SILVA, Karen Kênnia Couto. O português como língua de herança na Guiana Francesa: entre realidades e potencialidades. Revista X, Curitiba, v. 13, n. 1, p. 297-322, 2018.

VALDÉS, Guadalupe. Bilingualism, heritage language learners and SLA research: opportunities lost or seized? The modern language journal, [s. l.], v. 89, n. 3, p. 410-426, 2005.

VALDÉS, Guadalupe. Introduction. Spanish for native speakers. AATSP professional development series handbook for teachers K–16, New York, v. 1, 2000.

VAN DEUSEN-SCHOLL, N. Towards a Definition of Heritage Language: Sociopolitical and Pedagogical Considerations. Journal of Language, Identity and Education, Nova York, v. 2, n. 3, 2003, p. 211-230.

YONAHA, Tabata Quintana; MUKAI, Yukinori. O português língua de herança (PLH) no contexto de emigrantes brasileiros no Japão: breve descrição das crenças e ações de mães brasileiras.

Publicado
29-06-2021
Como Citar
Silva, K. K. C. (2021). Política linguística exterior brasileira e política linguística francesa em contato: o caso do português como língua de herança (PLH) no dispositivo Intervenant en Langue Maternelle na Guiana Francesa. Scripta, 25(53), 431-466. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n53p431-466