Letramento crítico no Ensino Médio: uma proposta didática sobre pós-fatos contra o Nordeste/nordestino(a) em aulas de Língua Portuguesa

  • Mariana Galdino Santana Instituto Federal de Alagoas
Palavras-chave: Pós-verdade. Responsividade. Fake news. Letramento informacional e midiático. Ética.

Resumo

Compreendemos que cabe à escola, e especialmente à docência de Língua Portuguesa, preparar alunos e alunas para uma leitura cuidadosa e responsiva da produção informacional e midiática, possibilitando um olhar crítico sobre a “objetividade” dos fatos, colaborando, desse modo, com a (re)construção e problematização de um sentimento de pertencimento a uma territorialidade, quando os textos para o ensino e a aprendizagem da linguagem têm como objeto de discurso uma região e seu povo. Assim, se sabemos que a disseminação de notícias falsas e de pós-verdades pode ocasionar vários danos à sociedade em geral e às pessoas especificamente, proponho-me, nesse artigo, à reflexão, em aulas de Língua Portuguesa, acerca da formação do letramento crítico de estudantes do Ensino Médio, a partir do trabalho com textos, informação midiática e a cultura do “pós-fato” em que a temática seja o Nordeste e o(a)s nordestino(a)s. Para tanto, sugere-se um Plano de Ensino mensal com fito de construir uma leitura crítica e fomentar a formação de opinião a partir da recepção de “pós-fatos” que tomam como referente o Nordeste e o(a)s nordestino(a)s.  O plano em questão prevê discutir com os alunos questões éticas, sociais e de formação do sujeito contemporâneo, interessada nos processos de ensino e de aprendizagem, em aulas de Língua Portuguesa, para a formação de leitor(a) crítico(a) frente à (própria) territorialidade.

 

Palavras-chave: Pós-verdade. Responsividade. Fake news. Letramento informacional e midiático. Ética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 2011. São Paulo: Cortez.

AMORIM, Marília. Para uma filosofia do ato: “Válido e inserido no contexto”. In.: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, 2009.

BAKHTIN, Mikhail M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução aos cuidados de Valdemir Miotello & Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. Prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov; introdução e tradução do russo Paulo Bezerra. 6ª. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BARROS, D. L. P. de. Intolerância, mentira e educação: reflexões sobre o discurso. In.: Abralin (Canal do YouTube), 2020a. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=le2T8Tk1t-c. Acesso em: 24 ago. 2020.

BARROS, D. L. P. de. As fake news e as anomalias. VERBUM - Cadernos de Pós Graduação, v. 9, n. 2, p. 26-41, set. 2020b.

COULMAS, Florian. Escrita e Sociedade. [Tradução Marcos Bagno]. 1 ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso político. Tradução Fabiana Komesu e Dilson Ferreira da Cruz. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2011.

D´ANCONA, Mathew. Pós-Verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de fake news. Barueri: Faro Ediorial, 2018.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michele; SCHNEUWLY, Bernard. Seqüências

didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In:

SCHNEUWLY, Bernard.; DOLZ, Joaquim. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. [Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro].

Campinas-SP: Mercado de Letras, 2004.

DFNDR LAB. Relatório da segurança digital no Brasil: segundo trimestre de 2018. 2018. Disponível em: https://www.psafe.com/dfndr-lab/wp-content/uploads/2018/08/Relat%C3%B3rio-da-Seguran%C3%A7a-Digital-no-Brasil-2-trimestre-2018.pdf . Acesso em: 15 de ago. de 2019.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & Diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

MAINARDI, Diogo. Diogo Mainardi: Eleição da Dilma e Nordeste - 27/10/2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MRC-SPPSJOE. Acesso em: 30 ago. 2020.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. 2017.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MONTEIRO, Rosemeire Selma. A Linguística Aplicada e o processo de letramento. Rev. De Letras – nº 21 – Vol. 1/2 – jan/dez. 1999.

OTTONICAR, Selma Leticia Capinzaiki; et al. Fake news, big data e o risco à democracia: novos desafios à competência em informação e midiática. IX Encontro Ibérico EDICIC (Barcelona, entre 9 e 11 de julho de 2019).

ORTELLADO, Pablo. Brasil esteve na ‘vanguarda’ das fake news. Veja, São Paulo, 11 de mai. 2018. Disponível em: https://veja.abril.com.br/tveja/em-pauta/pablo-ortellado-brasil-esteve-na-vanguarda-das-fake-news/ . Acesso em: 15 de ago. 2019.

PINHEIRO, Petrilson Alan. Construções sociais de gênero no ciberespaço: novas práticas sociais de letramento. In.: Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 129-146, jan./jun. 2007.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Repensar o papel da Linguística Aplicada. In.: Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. Organizador: Luiz Paulo da Moita Lopes. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

STREET, Brian V. Letramentos sociais: Abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola. 2014.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2ª. ed. São Paulo: Editora 34, 2018.

WARDLE, Claire. Information disorder: Toward an interdisciplinary framework for faracresearch and policy making. Council of Europe, 2017.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
Santana, M. G. (2021). Letramento crítico no Ensino Médio: uma proposta didática sobre pós-fatos contra o Nordeste/nordestino(a) em aulas de Língua Portuguesa. Scripta, 25(54), 296-322. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n54p296-322