A formação crítica do leitor à reflexão dos fatores pragmáticos da textualidade na produção de fake news sobre a covid-19: uma análise linguística textual

  • Natália Coêlho Bagagim Professora Substituta de Língua Portuguesa no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFSERTÃOPE) e professora do quadro permanente da Prefeitura de Ouricuri/PE.
  • Marcelo Silva de Souza Ribeiro Professor Universitário (UPE/UNIVASF).
  • Lucinalva de Almeida Silva Professora na Educação Básica (Afrânio/Santa Filomena-PE).
Palavras-chave: Covid-19. Fake News. Textual Linguistics.

Resumo

Em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a explosão de informações nas mídias a respeito da doença tem intensificado a produção e disseminação de notícias falsas. Dessa forma, este trabalho, apoiado na abordagem qualitativa de pesquisa, objetivou analisar a formação crítica do leitor à reflexão dos fatores pragmáticos da textualidade na produção de fake news sobre a Covid-19. São objetos de análise três publicações sobre a cura do coronavírus mediante insumos caseiros. Essas publicações foram checadas pelo site do Ministério da Saúde e comprovadas como fake news. A pesquisa foi embasada na Linguística Textual sob os fundamentos teóricos de Costa Val (1991; 2008), Koch e Travaglia (1993; 2015), Marcuschi (2008), Koch (2014), Koch e Elias (2008), Rodrigues et al. (2009); Santaella (2018), Leite (2019) e Galhardi et al. (2020), Bauman (2001) sobre fake news e sua intensificação. Constatou-se que a formação crítica dos leitores ainda é limitada, pois os produtores de fake news se valem dos fatores pragmáticos da textualidade para atribuir sentidos ao que se enuncia sobre a Covid-19 e ganham à cooperação do leitor na aceitação dos seus conteúdos. Logo, essa interação autor/texto/leitor dificulta o combate à crise sanitária no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Coêlho Bagagim, Professora Substituta de Língua Portuguesa no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFSERTÃOPE) e professora do quadro permanente da Prefeitura de Ouricuri/PE.

Mestra em Letras Stricto sensu (PROFLETRAS) pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campus Cajazeiras/PB. Licenciada em Letras - Português (2014.2) pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Pós-graduada Lato sensu em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira pela Universidade Cândido Mendes - UCAM. Atua como professora de Língua Portuguesa do quadro efetivo na rede municipal de Ouricuri/PE. Atua como Professora Substituta de Língua Portuguesa no IFSERTÃO - Campus Petrolina - Zona Rural. Atua como Tutora Presencial/On-line do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) - Polo Dormentes/PE. Cursa a especialização em Metodologias Ativas pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Atuou como Tutora Virtual das disciplinas: Leitura e Compreensão Textual e Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa pela UFRPE e atuou também, como Monitora da disciplina Projetos de Extensão Círculo de leitura durante três meses pela UFRPE (EaD).

Marcelo Silva de Souza Ribeiro, Professor Universitário (UPE/UNIVASF).

Professor Universitário (UPE/UNIVASF). Pós - doutor em Educação (UFBA), Doutor em Ciências da Educação e Mestre em Educação pela Université du Québec à Chicoutimi / à Montréal, graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Superior de Maceió, Especializações em Educação Especial (UFAL), Educação a Distância (SENAC) e em Produção de Mídias para Educação Online (UFBA).

Lucinalva de Almeida Silva, Professora na Educação Básica (Afrânio/Santa Filomena-PE).

Professora na Educação Básica (Afrânio/Santa Filomena-PE). Mestre em Educação (UPE), graduada em Língua Inglesa (UPE), Língua Portuguesa (UNINTER) e em Pedagogia (UNICESUMAR), com especializações em Metodologias do Ensino de Língua Inglesa (INTA), Psicopedagogia Clínica, Institucional e TGD (ÚNICA), Gestão e Coordenação Pedagógica (UPE), Educação, Contemporaneidade e Novas Tecnologias (UNIVASF), Língua Portuguesa e Literatura Brasileira (ÚNICA).

Referências

ANTIGO SAUDE. Corovírus pode ser curado por uma tigela de água de alho recém-fervida. 2020. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/fakenews/46443-coronavirus-pode-ser-curado-com-tigela-de-agua-de-alho-recem-fervida-e-fake-news. Acesso em: 25 de maio de 2021.

ANTIGO SAUDE. Uísque e mel contra coronavírus. 2020. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/fakenews/46281-uisque-e-mel-contra-coronavirus-e-fake-news. Acesso em: 25 de maio de 2021.

ANTIGO SAUDE. Óleos para combater coronavírus. 2020. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/fakenews/46277-oleos-para-combater-coronavirus-e-fake-news. Acesso em: 25 de maio de 2021.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2001.

COSTA VAL, M. da G. Redação e Textualidade. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

COSTA VAL, M. da G. Texto, textualidade e textualização. In: M. L, FERRARO et al. Experiência e prática de redação. Florianópolis, UFSC, 2008, p. 63-85.

EVANGELISTA, O. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In: R. M. DE LIMA ARAUJO; D. DO SOCORRO RODRIGUES (Orgs.), 1ª ed, A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas, Alínea, 2012, p. 52-71.

FREITAS, A. R. R. et al. Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saúde, 29 (2):e2020119, p. 1-5, abril de 2020.

GALHARDI, C.P. et al. Fato ou Fake? Uma análise da desinformação frente à pandemia da Covid-19 no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25 (2):4201-4210, p. 4201 - 4210, agosto de 2020.

KOCH, I. V.; TRAVAGLIA, L. C. Texto e Coerência. 2ª ed.; São Paulo, Cortez, 1993.

KOCH, I, V. ELIAS, V.M. Ler e compreender os sentidos do texto. 2ª ed.; São Paulo, Contexto, 2008.

KOCH, I. 2014. O texto e a construção dos sentidos. 10ª ed.; São Paulo, Contexto, 2014.

KOCH, I. V.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. 18º ed.; São Paulo, Contexto, 2015.

LEITE, A. P. M. A alfabetização midiática e informacional em tempos de fake news e o legado de Paulo Freire. In: P. R. PADILHA; J. ABREU (Orgs.), Paulo Freire em tempos de fake news [livro eletrônico]: artigos e projetos de intervenção produzidos durante o curso da EaD Freiriana do Instituto Paulo Freire. São Paulo, Instituto Paulo Freire, 2019, p.12-18.

MARCUSCHI, L. A Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 3ª ed.; São Paulo, Parábola Editorial, 2008.

PÁDUA, E. M. M. de. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico - prática.2ª ed.; Campinas, Papiros, 1997.

RODRIGUES, R. H. et al. Linguística textual. Florianópolis, LLV/CCE/UFSC, 2009.

SANTAELLA, L. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? Barueri, Estação das Letras e Cores, 2018.

SANTOS, C. Conheça as fake news mais absurdas já checadas sobre o coronavírus no mundo. 2020. Disponível em:https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2020/08/31/conheca-as-fake-news-mais-absurdas-ja-checadas-sobre-o-coronavirus.htm. Acesso em: 30 de maio de 2021.

VASCONCELLOS-SILVA, P.R.; CASTIEL, L. D. COVID-19. As fake news e o sono da razão comunicativa gerando monstros: a narrativa dos riscos e os riscos das narrativas. Cad. Saúde Pública, 36 (7):e00101920, p.1-12, julho de 2020.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
Bagagim, N. C., Ribeiro, M. S. de S., & Silva, L. de A. (2021). A formação crítica do leitor à reflexão dos fatores pragmáticos da textualidade na produção de fake news sobre a covid-19: uma análise linguística textual. Scripta, 25(54), 207-234. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n54p207-234