O cenário político brasileiro e as disputas de hegemonia nos planos ideológico, discursivo e linguístico

  • Emerson de Pietri
  • Tatiane Silva Santos Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT); Universidade de São Paulo (USP)
  • Thiago Mena Doutorando da Faculdade de Educação da USP
Palavras-chave: Sentidos. Disputa. Democracia. Hegemonia. Controle.

Resumo

A onda de retrocessos sociais e democráticos que vivemos atualmente no Brasil teve a particularidade de ser legitimada por uma parcela expressiva da população, por meio do voto. Isso indica que, em alguma medida, houve uma adesão popular aos discursos propagados pelo grupo político que assumiu o poder nas eleições de 2018. Entretanto, sabe-se que tal adesão não se deu de forma espontânea, mas mediada por mecanismos sofisticados de manipulação de opiniões, os quais misturam estratégias retóricas já bastante conhecidas, com as mais novas tecnologias de comunicação disponíveis: uma junção potente que ainda não sabemos bem como desarmar. Nosso objetivo, neste artigo, é contribuir para tornar explícitos alguns desses mecanismos, de modo a possibilitar, por parte de quem lê, a apreensão crítica das disputas de hegemonia que se processam nos planos linguístico, discursivo e ideológico. Para tanto, analisamos dados produzidos a partir de pronunciamentos públicos do então presidente da república, o qual, devido à centralidade de sua posição social, caracteriza-se como porta-voz dos discursos cultivados em seu grupo político. Tomamos por referencial teórico os estudos de Klemperer (2009) sobre os padrões do discurso fascista e de Pêcheux (1988) sobre a ocultação dos processos ideológicos dominantes. Com o trabalho de análise foi possível identificar um procedimento discursivo empregado pela extrema-direita a que denominamos controle do contraditório. Trata-se de uma tática utilizada para camuflar as contradições da realidade, com a finalidade de manter o controle de situações conflitivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CARTA CAPITAL. Bolsonaro diz para apoiadores invadirem hospitais em busca de leitos vazios. 12 de junho de 2020. Seção Saúde. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/saude/bolsonaro-diz-para-apoiadores-invadirem-hospitais-em-busca-de-leitos-vazios/. Acesso em 13out2020.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GRUPPI, L. O conceito de Hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

KLEMPERER, Victor. LTI – A linguagem do Terceiro Reich. Tradução de Miriam Bettina Paulina Oelsner. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

KOMESU, Fabiana.; ALEXANDRE, Gabriel G.; SILVA, Larissa S. A cura da infodemia? O tratamento da desinformação em práticas sociais letradas de checagem de fatos em tempos de Covid-19. In: RODRIGUES, Daniela L. D. I.; SILVA, Jane. Q. G. (org.). Estudos aplicados à prática da escrita acadêmica: colocando a mão na massa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2020. p.186-229.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: N-1 Edições, 2020.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARTINS, Helena. Comunicações em tempos de crise: economia e política. São Paulo : Expressão Popular, Fundação Rosa Luxemburgo, 2020.

ORLANDI, Eni Pucinelli. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1996.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso. Tradução: Eni Orlandi [et al.]. Campinas, Editora da Unicamp, 1988.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso. Tradução: Eni Orlandi e Greciely Costa. Campinas, Pontes Editores, 2019.

UOL (Universo On-Line). Carlos diz que só 'bandido' crê que Bolsonaro incentiva invasão a hospital. Seção: Política Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/06/14/carlos-diz-que-so-bandido-cre-que-bolsonaro-incentiva-invasao-a-hospital.htm. Acesso em 13out2020.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
Pietri, E. de, Santos, T. S., & Mena, T. (2021). O cenário político brasileiro e as disputas de hegemonia nos planos ideológico, discursivo e linguístico. Scripta, 25(54), 129-157. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n54p129-157