O papel da memória discursiva em manchetes que desmentem notícias sobre Covid-19

  • Gabriel Guimarães Alexandre Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Letramentos digitais, Desordem informacional, Memória discursiva, Manchetes

Resumo

A pandemia de Covid-19 trouxe-nos um contexto de exceção. Restrições impostas à sociedade foram aplicadas por governos de diferentes partes do mundo, gerando dificuldades, por exemplo, de escolha entre ter privacidade de dados ou saúde prometida por vigilância biométrica (HARARI, 2020). Como “resposta” à disseminação de fake news – não só sobre a doença, mas também sobre outros temas – as agências de fact-checking (PANGRAZIO, 2018; SPINELLI, SANTOS, 2018) surgem com o objetivo de verificá-las, classificando-as em “verdadeiras” ou “falsas”, segundo gradação. Quando publicam a checagem realizada, as agências utilizam manchetes que desmentem as notícias. Entre os padrões linguísticos observados, a negação é bastante frequente nas manchetes verificadas em mídias sociais. Por ser um índice de implícito, está presente no enunciado para produzir sentido: a memória discursiva é, pois, um modo de compreender o estatuto dos implícitos (ACHARD, 1999; PÊCHEUX, 1999). Logo, partimos da hipótese de que a prática de estruturar a negação, nas manchetes analisadas, pode fazer emergir questões interlocutivas via evocação de certa memória discursiva. Com base em pressupostos teórico-metodológicos dos estudos de letramentos (New Literacy Studies) e da Análise do discurso francesa, este trabalho objetivou analisar o papel da memória discursiva em 68 manchetes, publicadas em março de 2020 por duas agências (“Chequeado” e “Agência Lupa), as quais desmentem notícias sobre Covid-19 em mídias sociais. Os resultados obtidos permitiram identificar três estruturas de negação frequentes nas manchetes e parecem confirmar a hipótese de partida, contribuindo com os estudos de letramentos, quanto à formação do leitor em tempos de pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACHARD, Pierre. Memória e produção discursiva do sentido. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da Memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999.

AUTHIER-REVUZ, Jaqueline. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Caderno de Estudos Linguísticos. Campinas, v. 19, p. 25-42, 1990.

CRYSTAL, David. English as a Global Language. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

DUCROT, Oswald. La polifonía en lingüística. In: DUCROT, Oswald. Polifonía y argumentación. Conferencias del seminário teoria de la argumentacion y analisis del discurso. 1 ed. Cali: Universidad del Valle, p. 15-30, 1988.

FOSSEY, Marcela Franco. Polêmica sobre sexo saudável: uma abordagem discursiva. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, 2011.

HARARI, Yuval Noah. Yuval Noah Harari: the world after coronavirus. Disponível em <https://www.ft.com/content/19d90308-6858-11ea-a3c9-1fe6fedcca75>. Acesso em 05, julho, 2021.

XXXXXX. A cura da infodemia? O tratamento da desinformação em práticas sociais letradas de checagem de fatos em tempos de Covid-19. In: RODRIGUES, Daniela Lopes Dias Ignácio; SILVA, Jane Quintiliano Guimarães (org.). Estudos aplicados à prática da escrita acadêmica: colocando a mão na massa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2020. p. 186-229.

LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele. New Literacies: Everyday practices and classroom learning. 2. ed. Glasglow: McGraw-Hill. Inglaterra: Open University Press, 2006.

LANKSHEAR, Colin; KNOBEL, Michele. New literacies: everyday practices and social learning. 3. ed. Inglaterra: Open University Press, 2011.

LEWANDOWKY. Stephan et al. Misinformation and its correction continued influence and successful debiasing. Psychological Science in the Public Interest, p. 106-131, 2012. Disponível em <https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1529100612451018>. Acesso em 05, julho, 2021.

LONGHI, Carla Reis. Informação jornalística: da mediação à midiatização. Intercom – RBCC. São Paulo, v.38, n.2, p. 185-206, jul./dez. 2015.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Trad. Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MARTENS, Bertin et al. The digital transformation of news media and the rise of disinformation and fake news. JRC Digital Economy Working Paper, 2018. Disponível em <https://ec.europa.eu/jrc/en/publication/eur-scientific-and-technical-research-reports/digital-transformation-news-media-and-rise-disinformation-and-fake-news>. Acesso em 05, julho, 2021.

MARWICK, Alice; LEWIS, Rebecca. Media Manipulation and Dis-information Online. Data and

Society, 2017. Disponível em <https://datasociety.net/output/media-manipulation-and-disinfo-online/>. Acesso em 05, julho, 2021.

MCINTYRE, Lee. Post-Truth. Cambridge, Massachussets: MIT Press, 2018.

MONNERAT, Alessandra. A aposta no fact checking: jornalistas criam mais iniciativas para verificar o discurso público e revelar notícias falsas. Knight Center for Journalism in the Americas, 19 abr. 2017. Disponível em <https://www.sjsp.org.br/noticias/a-aposta-no-fact-checking-f810>. Acesso em 05, julho, 2021.

NYHAN, Brendan; REIFLER, Jason. Estimating Fact-checking’s Effects: Evidence from a long-term experiment during campaign. American Press Institute, 2014.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 8. Ed. Campinas: Pontes, 2009.

PAVEAU, Marie-Anne. Memória, des-memória, a-memória: quando o discurso volta-se para seu passado. Trad. Jocilene Santana Prado; Eduardo Lopes Piris. EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilhéus, n.5, p. 137-161, dez.2013.

PANGRAZIO, Luci. What’s new about “fake news”? Critical digital literacies in an era of fake news, post-truth and clikbait. Revista Páginas de Educación, v.11, n.1, p. 6-22, 2018.

PÊCHEUX, Michel. Papel da Memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da Memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas, SP: Pontes, 1999.

SPINELLI, Egle Müller; SANTOS, Jéssica de Almeida. Jornalismo na era da pós-verdade: fact-checking como ferramenta de combate às fake news. Revista Observatório, v. 4, n. 3, p. 759-782, 2018.

TANDOC JR., Edson C.; LIM, Zheng Wei; LING, Richard. Defining “Fake News”. Digital Journalism, v. 6, n. 2, p. 137-153, 2018. Disponível em . Acesso em 05, julho, 2021.

WARDLE, Claire; DEREKSHAN, Hossein. Information Disorder: toward an interdisciplinar framework for research and policy making. Council of Europe Report, DGI, 2017.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
Alexandre, G. G. (2021). O papel da memória discursiva em manchetes que desmentem notícias sobre Covid-19. Scripta, 25(54), 68-95. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n54p68-95