Competências em práticas letradas de estudantes de Ensino Médio no contexto da desordem informacional

  • Ana Cláudia Bertini Ciencia Unesp
Palavras-chave: Letramentos midiáticos e informacionais. Formação do leitor. BNCC. Ensino Médio.

Resumo

Este artigo objetiva discutir competências de alunos de Ensino Médio em práticas sociais de leitura e escrita mediadas por mídias digitais, no contexto da desordem informacional e no tocante à identificação de informação falsa. O estudo ancora-se nos pressupostos dos Novos Estudos de Letramentos (New Literacy Studies), especificamente no que se refere à formação do leitor, a partir dos quais se descrevem e discutem orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O conjunto do material é formado por 105 produções textuais coletadas em uma escola pública de São José do Rio Preto, interior de São Paulo, no primeiro semestre de 2019. Embora tanto a coleta do material quanto a BNCC sejam anteriores à pandemia da covid-19, faz-se pertinente problematizar também essa crise sanitária, a qual potencializou um contexto de “infodemia” e evidenciou desigualdades no acesso à educação. A análise dos dados demonstra que os estudantes de Ensino Médio são competentes em reconhecer informação falsa com base em critérios relacionados ao uso de norma culta. No entanto, parecem desconhecer questões não relacionadas diretamente a aspectos linguísticos e ignorar o atravessamento de vozes e crenças particulares no processo da desordem informacional. O trabalho aponta para o confronto entre as expectativas e orientações da BNCC e os letramentos que precisam ser discutidos e trabalhados pela instituição escolar, pensando, principalmente (mas não apenas) numa vida pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABAURRE, M. B. M.; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L.; GERALDI, J. W. Considerações sobre a utilização de um paradigma indiciário na análise de episódios de refacção textual. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 25, 2012. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639237. Acesso em: 8 jul. 2021.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. Edições Loyola, 1999.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, 1996.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edição Câmara, 2015. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/20204/plano_nacional_educacao_ 2014-2024_2ed.pdf?sequence=8. Acesso em: 30 jun. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. Painel TIC COVID-19 3ª. edição. [2020]. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20201104182616/painel_tic_covid19_3edicao_livro%20eletr%C3%B4nico.pdf. Acesso em: 29 jun. 2021.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

EUROPEAN COMMISSION. A multi-dimensional approach to disinformation. Report of the independent High level Group on fake news and online disinformation. Disponível em: https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/news/final-report-high-level-expert-group-fake-news-and-online-disinformation. Acesso em: 29 jun. 2021.

FREITAS, L. M. A.; PIETRI, E. Mesa-redonda apresentada no 68º GEL (São Carlos), jul. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ctKAWSQXhnk. Acesso em 8 jul. 2021.

GALHARDI, C. P. et al. M. Fato ou Fake? Uma análise da desinformação frente à pandemia da COVID-19 no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, supl. 2, p. 4201-4210, out. 2020. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1413-81232020006804201&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 jun.2021.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. pp. 143-179.

GONTIJO, C. M. M. Base Nacional Comum Curricular (BNCC): comentários críticos. Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 2, jul/dez. 2015, p. 174-190.

ISLAM, M. S. et al. COVID-19-Related infodemic and Its impact on public health: A global social media analysis. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v. 103, n. 4, p. 1621-1629, 2020.

JOHNS HOPKINS. COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE). 2020. Disponível em: https://coronavirus.jhu.edu/map.html. Acesso em: 27 jun. 2021.

KOLTAY, T. The media and the literacies: media literacy, information literacy, digital literacy. Media, Culture & Society, 33(2), p.211-221, 2011.

KOMESU, F.; DAUNAY, B.; FLUCKIGER, C. Littéracies numériques et désinformation: le rôle de l’enseignant dans le contexte d’infodémie. In: SCHEEPERS, C. (Org.) Former à l’écrit, former par l’écrit. Paris: De Boeck, no prelo.

LANKSHEAR, C; KNOBEL, M. Digital Literacy and Digital Literacies: Policy, Pedagogy and Research Considerations for Education. Nordic Journal of Digital Literacy, p. 8-20, 2006 – 2016.

MCINTYRE, L. Post-Truth. Massachusetts: MIT Press, 2018.

MOREIRA, A. F. (Org.) (2001). Ênfases e Omissões no Currículo. Campinas: Papirus Editora.

MORGADO, J. C. Projecto curricular e autonomia da escola: das intenções às práticas. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - Periódico científico editado pela ANPAE, [S.l.], v. 27, n. 3, mar. 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/26411/15403. Acesso em: 29 jun. 2021.

PENNYCOOK, G. et al. Predictors of attitudes and misperceptions about COVID-19 in Canada, the UK, and the USA. PsyArXiv, v. 10, p. 1-25, 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Debates e controvérsias em torna da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Movimento-Revista de Educação, n. 8, p. 268-280, jan./jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32656/18791. Acesso em 30 jun. 2021.

NEWMAN, N. et al. Reuters Institute: Digital News Report 2021. London: Reuters Institute; University of Oxford, 2021. Disponível em: https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/2021-06/Digital_News_Report_2021_FINAL.pdf. Acesso em: 26 jun. 2021.

PEW RESEARCH CENTER. Science and Scientists Held in High Esteem Across Global Publics. Disponível em: https://www.pewresearch.org/science/2020/09/29/science-and-scientists-held-in-high-esteem-across-global-publics/. Acesso em 27. jun. 2021.

SILVA, M. R. Currículo, ensino médio e BNCC: um cenário de disputas. Revista Retratos da Escola. Brasília, v. 9, n. 17, p. 367-379, jul./dez. 2015.

STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

TANDOC JR., E. C.; LIM, Z. W.; LING, R. Defining “Fake News”. Digital Journalism, 6:2, p. 137-153, 2018.

WARDLE, C.; DERAKHSHAN, H. Conceptual Framework. In: ______. Information Disorder: toward an interdisciplinar framework for research and policy making. Council of Europe Report, DGI, 2017. p.20-48.

WE ARE SOCIAL. Global Digital Report 2019. Disponível em: https://wearesocial.com/digital- 2021. Acesso em 30 de jun. de 2021.

UNESCO. Alfabetização midiática e informacional (AMI). Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/communication-and-information/digital-transformation-and-innovation/media-and-information-literacy/. Acesso em: 29 jun. 2021.

ZAROCOSTAS, J. How to fight an infodemic. The Lancet, v. 395, n. 10225, 2020.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
Ciencia, A. C. B. (2021). Competências em práticas letradas de estudantes de Ensino Médio no contexto da desordem informacional. Scripta, 25(54), 235-264. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2021v25n54p235-264