O TERRITÓRIO USADO E AS PROFESSORAS DA AMAZÔNIA ACREANA:

VIVER E LECIONAR NO MEIO RURAL DE FEIJÓ/AC

  • Letícia Mendonça Lopes Ribeiro Universidade Federal do Acre
  • Adriana Ramos dos Santos Universidade Federal do Acre
Palavras-chave: Professoras da Amazônia Acreana, Território usado, Reforma Agrária

Resumo

Objetivou-se identificar decisões pessoais e profissionais, de professoras da Amazônia Acreana, que são influenciadas pelas características do meio rural de Feijó/AC, sendo este o território usado onde elas vivem e trabalham. O referencial teórico se baseou na interpretação de Milton Santos para o território usado e como este é identificado em Feijó. A produção e a análise de dados se orientaram a partir das 10 entrevistas semiestruturadas realizadas com professoras da Amazônia Acreana, sujeitas da pesquisa. Identificou-se que a decisão por conquistar uma propriedade privada no meio rural acreano, por meio dos programas de reforma agrária, é a prioridade das famílias deste território, em detrimento da educação e de outras políticas públicas que demoram a se estabelecer nos seringais. A opção pelo magistério é uma decisão coerente à vida das professoras deste território, já que a docência e o trabalho doméstico são as únicas profissões com grande oferta às mulheres locais. Esse cenário pressupõe o vasto campo de reconhecimento e estudo para as questões que envolvem o território Amazônico e, especialmente, para quem exerce a Educação do Campo na região: docentes da Amazônia brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Mendonça Lopes Ribeiro, Universidade Federal do Acre

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Mestra em Educação pela Universidade Federal do Acre. Doutora em Educação pela PUC Minas. Professora Adjunta de Didática e Estágios na Universidade Federal de Lavras (UFLA). Possui experiência em Educação Básica pública (Educação Infantil, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos, Ensino Técnico) e em Educação Superior (disciplinas lecionadas em cursos de licenciatura, programas de pós-graduação e programas especiais de formação inicial e continuada de docentes).

Adriana Ramos dos Santos, Universidade Federal do Acre

Graduada em Ciências Biológicas e Pedagogia pela Universidade Federal do Acre. Mestra em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora do curso de Pedagogia, cursos de Licenciatura e da Pós-graduação - Mestrado profissional em ensino de Ciências e Matemática e na Pós Graduação "Stricto Sensu", PPGE - Mestrado em Educação na Universidade Federal do Acre. Desenvolve estudos e pesquisas nas seguintes linhas: Educação Ambiental, Ensino de Ciências, Formação e Prática docente, Formação de professores e tecnologias digitais.

 

REFERÊNCIAS

ACRE. Governo do Estado do Acre. Secretaria de Estado de Planejamento. Acre em Números: 2017. Rio Branco, 2017. Disponível em: <http://acre.gov.br/wp-content/uploads/2019/02/acre-em-numeros-2017.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2022.

ARAUJO, S. M. S.. História das mulheres, História de vida de professoras: Elementos para pensar a docência. Educar em Revista, Curitiba, n. 53, p. 295-310, jul./set. 2014. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/37341/23140. Acesso em: 15 out. 2022.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2006.

CALIXTO, V.O.; SOUZA, J.F.; SOUZA, J.D. Acre: uma história em construção. Rio Branco/AC: Fundação Cultural do Acre, 1985.

FRANÇA, C.S.; PRADO, G.V.T. Formação de Professores: possibilidades que se configuram no trabalho com Memórias e Narrativas. Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 17, p. 310-316, 2016. Disponível em: https://revistaensinoeeducacao.pgsskroton.com.br/article/view/3844. Acesso em: 15 out. 2022.

HAGE, S.A.M. Transgressão do paradigma da (multi)seriação como referência para a construção da escola pública do campo. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1165-1182, out.-dez., 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/es/a/wRdr8Zb3jCBdnLYD3sFrWCn/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 15 fev. 2022.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Ministério da Educação. Brasil. Resumo Técnico do estado do Acre –Censo da Educação Básica 2020. Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/inep/pt-br/centrais-de-conteudo/acervo-linha-editorial/publicacoes-institucionais/estatisticas-e-indicadores-educacionais/resumo-tecnico-do-estado-do-acre-2013-censo-da-educacao-basica-2020>. Acesso em 21 fev. 2022.

JANATA, N.E.; ANHAIA, E.M. Escolas/Classes Multisseriadas do Campo: reflexões para a formação docente.Educação e Realidade, Porto Alegre/RS, v. 40, n. 3, 2015, p. 685-704.Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/45783. Acesso em: 04 dez. 2021.

MACHADO, E.L.C.M.; MACIEL, R.C.G.; LIMA JUNIOR, F.B.; CAVALCANTE FILHO,P.G. Avicultura versusgado bovino no Acre: agricultura familiar e desenvolvimento rural em questão. Revista Reflexões Econômicas. Ilhéus/BA, v. 3, n. 1, p. 128-143, 2017. Disponível em: <http://periodicos.uesc.br/index.php/reflexoeseconomicas/article/view/1336>. Acesso em: 11 fev. 2022.

MARTINS, F.A.O. A construção da identidade formativa e profissional do professor na escola rural ribeirinha do Vale do Juruá: a pedagogia das águas. Tese (Doutorado em Educação) –Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015. 288fl. Disponível em: <https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/46272/R%20-%20T%20-%20FRANCISCA%20ADMA%20DE%20OLIVEIRA%20MARTINS.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 10 jul. 2019.

OLIVEIRA, P.C.M. O Incra na região do Alto-Purus, Sena Madureira. In: BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Memória Incra 35 anos. Brasília: MDA, Incra, 2006, p.  91-113. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br. Acesso em 27 jul. 2022.

QUEIROZ, T.A.N. Espaço Geográfico, Território Usado e Lugar: ensaio sobre o pensamento de Milton Santos. Para Onde!?Porto Alegre: UFRGS, v. 8, n. 2, p. 154-161, ago./dez 2014. Disponível em: ttps://seer.ufrgs.br/index.php/paraonde/article/view/61589/36420. Acesso em: 01 jun. 2023.

RIBEIRO, L.M.L. Professoras da Amazônia Acreana: trabalho docente e condições de vida de mulheres que lecionam no meio rural de Feijó, AC. Tese (Doutorado em Educação) –Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2023. 305fl. Disponível em: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Educacao_LeticiaMendonca  LopesRibeiro_30253_Textocompleto.pdf. Acesso em: 01 jun. 2023.

SANTOS, A.R. O perfil dos professores do Campo no estado do Acre: uma análise das políticas de formação docente (2007-2013) e das desigualdades nas condições de trabalho.Tese (Doutorado em Educação) –Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2015. 261 fl. Disponível em: http://www.ppge.ufpr.br/teses%20d2015/d2015_Adriana%20Ramos%20dos%                                   20Santos.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.                                   

SANTOS, C. A. P. “Serás Estropiado, Maltratado eTriturado na Amazônia”: trabalhadores cearenses na Campanha Nacional da Borracha, zona noroeste do Ceará (1942-1945). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 13, p. 1-20, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/75447. Acesso em: 21 jul. 2022.

SANTOS, M. O Dinheiro e o Território. GEOgraphia, Niterói, ano 1, v. 1, p. 7-13,1999. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/download/13360/8560/52708. Acesso em: 02 jul. 2022.

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO INCRA NO ACRE. Relatório de análise de mercados de terras (RAMT).Rio Branco, 2016. Disponível em: https://www.gov.br/incra/pt-br/assuntos/governanca-fundiaria/relatorio-de-analise-de-mercados-de-terras/ramt_sr14_2016.pdf. Acesso em: 15 jul.2022.

Publicado
27-07-2023
Como Citar
Ribeiro, L. M. L., & Santos, A. R. dos. (2023). O TERRITÓRIO USADO E AS PROFESSORAS DA AMAZÔNIA ACREANA:. @rquivo Brasileiro De Educação, 11(20), 26-48. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2023v11n20p26-48