E quando o aluno não fala a língua do professor?

contribuições de um estudo de caso

Palavras-chave: Multilinguísmo, gestão de línguas na escola, acolhimento em línguas, políticas de ensino

Resumo

Foz do Iguaçu, cidade brasileira situada na Tríplice Fronteira com Paraguai e Argentina, recebe alunos de várias nacionalidades, línguas e culturas. A multiplicidade linguístico-cultural, celebrada na sociedade pela ótica da diversidade, na escola apresenta-se conflituosa, principalmente quando se trata de alunos migrantes ou descendentes que não falam português. Assim, a questão de pesquisa que emergiu desse contexto foi: “Como se dá o atendimento educacional ofertado aos alunos que não possuem proficiência na língua portuguesa nas escolas municipais de Foz do Iguaçu?”. Delimitou-se o objeto de pesquisa por meio do objetivo: “Pesquisar e descrever o atendimento educacional fornecido a uma aluna migrante de língua árabe na rede pública de ensino de Foz do Iguaçu”. Partindo de uma pesquisa qualitativa, de natureza exploratório-descritiva, o estudo de caso proposto analisou os dados gerados por meio de entrevistas semiestruturadas com os profissionais que atuam em uma escola iguaçuense e de registros de observações participantes efetivadas em diário de campo. Os resultados obtidos demonstraram que as políticas de ensino para lidar com o multilinguismo ainda são incipientes no município de Foz do Iguaçu e a gestão de línguas nas escolas fica sob a responsabilidade isolada de cada professor, sem uma política institucional ou conjunta.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kelin Regina Bergamini do Nascimento, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestra em Ensino pela UNIOESTE e membro do grupo de pesquisa Análise Linguística, Ensino e Formação - ALEF - financiado pela CAPES/CNPq. Possui graduação em Pedagogia pela UCB e bacharelado em Teologia pela UNIFIL, além de especializações em Métodos e Técnicas de Ensino pela UTFPR, Autismo pela UNIVALI e Psicopedagogia Clínica, Institucional e Hospitalar pela UNIOPET. Atualmente, atua como coordenadora pedagógica e professora do Ensino Fundamental I no município de Foz do Iguaçu/PR.

 

 

Maridelma Laperuta-Martins, UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Linguística e Língua Portuguesa - UNESPR-AR. Docente do Programa
de Pós-graduação em Ensino - Universidade Estadual do Oeste do Paraná
(UNIOESTE), campus de Foz do Iguaçu. E-mail: chomsky1928@yahoo.com.br.

 

 

Referências

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Política Linguística, Mitos e Concepções Linguísticas em Áreas Bilíngues de Imigrantes (Alemães) no Sul do Brasil. Revista Internacional de Linguística Iberoamericana, v. 2, n. 1 (3), p. 83–93, 2004. JSTOR. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/41678200. Acesso em: 23 maio 2022.

ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 93-116.

ANUNCIAÇÃO, Renata Franck Mendonça de. A Língua que acolhe pode silenciar? Reflexões sobre o conceito de “Português como Língua de Acolhimento”. Revista X, Curitiba, v. 13, n. 1, p. 35-56, out. 2018. Universidade Federal do Paraná. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/60341. Acesso em: 26 abr. 2022.

ARABEZA – Alfabeto Árabe da Língua Portuguesa. Iqara Islam, c2022. A Redação. Disponível em: https://iqaraislam.com/arabeza-alfabeto-arabe-da-lingua-portuguesa. Acesso em: 16 ago. 2022.

BIZON, Ana Cecília Cossi; CAMARGO, Helena Regina Esteves de. Acolhimento e ensino da Língua Portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de São Paulo: por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades. In: BAENINGER, Rosana et al. (Orgs.). Migrações Sul-Sul. 2. ed. Campinas: Nepo/Unicamp, 2018, p. 712-726.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em Língua Materna – a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Paradigma de Redes Sociais nos estudos Sociolinguísticos. In: MOLLICA, Maria Cecília; JUNIOR, Celso Ferrarezi (Orgs.). Sociolinguística, Sociolinguísticas: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2016, p. 157-166.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Manual de Sociolinguística. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2019.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. 7ª reimpressão. São Paulo: Parábola Editorial, 2020.

BOURDIEU Pierre. A Economia das Trocas Linguísticas: o que falar quer dizer. Tradução: Sérgio Miceli et al. 2. ed. 1ª reimpressão. São Paulo: EDUSP, 2008.

CALVET, Louis-Jean. As políticas Linguísticas. Tradução: Isabel de Oliveira Duarte, Jonas Tenfen e Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

CARDOZO, Poliana Fabiula. Eu nasci no Brasil, mas o Líbano é o meu País – jovens descendentes de libaneses em Foz do Iguaçu: identidade plural. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 58, p. 13-37, jan./jun. 2013. Editora UFPR. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/historia/article/view/33894/21155. Acesso em: 25 ago. 2020.

CÉSAR, América Lúcia Silva; CAVALCANTI, Marilda do Couto. Do Singular para o Multifacetado: o conceito de Língua como Caleidoscópio. In: CAVALCANTI, Marilda do Couto, BORTONI-RICARDO, Stella Maris, (Orgs.). Transculturalidade, Linguagem e Educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007, p. 45-65.

ERICKSON, Frederick. Transformation and school success: The politics and culture of educational achievement. Anthropology & Education Quarterly, v. 18, n. 4, p. 335-356, 1987. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3216661?seq=6#metadata_info_tab_contents. Acesso em: 23 maio 2022.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. 7ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2002

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LUNARDELLI, Mariangela Garcia; LAPERUTA-MARTINS, Maridelma. Práticas de ensino em leitura, escrita, oralidade e análise linguística em contextos multilíngues. In: SCHRÖDER, Luciane Thomé; FRANÇA, Juliana de Sá (Orgs.). Jornadas: as letras e suas reverberações político-sociais – escrevendo na história. Ensino, pesquisa e extensão. São Carlos: Pedro & João Editores, 2022, p. 73-88. Disponível em: https://pedroejoaoeditores.com.br/produto/jornadas-as-letras-e-suas-reverberacoes-politico-sociais-escrevendo-na-historia-ensino-pesquisa-e-extensao/. Acesso em: 25 set. 2022.

LUNARDELLI, Mariangela Garcia; SANTOS, Rosane Aparecida Biterlini. Rompendo o véu monolíngue: caminhos possíveis de gestão de línguas no ensino fundamental em Medianeira-PR. In: BERGER, Isis Ribeiro; REDEL, Elisângela (Orgs.). Políticas de gestão do Multilinguismo: práticas e debates. Campinas: Pontes Editores, 2020, p. 45-64.

MAHER, Terezinha Machado. Ecos de Resistência: Políticas Linguísticas e Línguas Minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 117-134.

MARQUES, Aline Áurea Martins. Políticas Linguísticas e Ensino de Português como Língua de Acolhimento para Imigrantes no Brasil: uma discussão a partir da oferta de cursos nas Universidades Federais. 2018. 136 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/189500. Acesso em: 12 abr. 2022.

MÓR, Walkyria Monte. As políticas de ensino de línguas e o projeto de letramento. In: NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 219-235.

NASCIMENTO, Kelin Regina Bergamini do. Diário de Campo. Foz do Iguaçu: [s. n.], 2022.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Política Linguística: do que é que se trata, afinal? In: NICOLAIDES, Christine et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013, p. 19-42.

REDEL, Elisângela; MARTINY, Franciele Maria; HECK, Diana Milena. “A escola pede aos pais para falarem em casa em português com os filhos”. Gestão de línguas e práticas educacionais de professores em uma escola pública na região de Fronteira Brasil/Paraguai. In: BERGER, Isis Ribeiro; REDEL, Elisângela (Orgs.). Políticas de gestão do Multilinguismo: práticas e debates. Campinas: Pontes Editores, 2020, p. 65-87.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. Colaboração: Dietmar Klaus Pfeiffer. 4. ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Atlas, 2017.

SÃO BERNARDO, Mirelle Amaral de. Português como Língua de Acolhimento: um estudo com imigrantes e pessoas em situação de refúgio no Brasil. 2016. 206 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8126. Acesso em: 16 maio 2022.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. revisada e atualizada. Florianópolis: UFSC, 2005.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. 7ª reimpressão. Petrópolis: Vozes, 2020, p. 73-102.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. 7ª reimpressão. Petrópolis: Vozes, 2020, p. 07-72.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZAMBRANO, Cora Elena Gonzalo. Português como Língua de Acolhimento em Roraima: da falta de formação específica à necessidade social. Revista X, Curitiba, v. 14, n. 3, p. 16-32, jul. 2019. Universidade Federal do Paraná. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/60942. Acesso em: 16 maio 2022.

ZAMBRANO, Cora Elena Gonzalo. Acolher entre Línguas: representações linguísticas em políticas de acolhimento para migrantes venezuelanos em Roraima. 2021. 226 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/39467/1/Acolher%20entre%20l%C3%ADnguas.pdf. Acesso em: 04 jan. 2023.
Publicado
21-12-2023
Como Citar
Nascimento, K. R. B. do, & Laperuta-Martins, M. (2023). E quando o aluno não fala a língua do professor?. Scripta, 27(60), 312-347. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n60p312-347
Seção
Eixo III. Descrição de aspectos linguísticos na interação entre línguas