PEDAGOGIA ECO-ANCESTRAL: CAMINHOS PARA (R)EXISTÊNCIA DE INFÂNCIAS NEGRAS

  • Joelma dos Santos Rocha Trancoso Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Kiusam Regina de Oliveira Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Educação Infantil, Educação Antirracista, Pedagogia Eco-Ancestral

Resumo

O presente artigo busca discorrer e problematizar o percurso histórico e legal da educação infantil, primeira etapa da educação, a partir da exclusão da negritude no processo histórico e pedagógico, o qual invisibiliza a cultura e epistemologia negra. Apresenta os esforços do movimento de mulheres e do movimento negro para a garantia ao direito à educação. Por meio de revisão bibliográfica aponta os documentos oficiais legais que ratificam o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira na educação infantil, como também propõe o rompimento das práticas que silenciam e marginalizam corpos negros, apresentando o caminho da Pedagogia Eco-Ancestral (Oliveira,2019) enquanto possibilidade teórica, prática e metodológica de modificar paradigmas estruturais que reproduzem o racismo entre os profissionais da Educação. Por fim, a partir da Pedagogia Eco-Ancestral, ratificamos a importância de se problematizar os métodos e materiais utilizados nas unidades de ensino, compreendendo as experiências e relações que se afirmam nas instituições de educação infantil com as crianças a partir da mediação dos professores, problematizando suas realidades e suas histórias, no esforço crítico e conscientemente voltado a garantir uma educação antirracista, evitando, assim, consequências danosas para as crianças e adultos negros, como também para toda sociedade.

Biografia do Autor

Joelma dos Santos Rocha Trancoso, Instituto Federal do Espírito Santo - IFES

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Mestra em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo - IFES. Professora estatutária no município da Serra/ES desde 2013, onde atualmente é gestora da pasta Étnico-racial na Secretaria Municipal de Educação -Sedu/Serra. Tem interesse pelas temáticas relacionadas a Educação das Relações Étnico-raciais- ERER, a Educação de Jovens e Adultos-EJA e a Educação Matemática.

Kiusam Regina de Oliveira, Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Educação e Mestre em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Pedagoga habilitada em Orientação Educacional, Administração Escolar e Deficiência Intelectual. Escritora. Artista multimídia. Arte-educadora. Bailarina e coreógrafa. Contadora de histórias da mitologia afro-brasileira. Foi orientadora pedagógica do projeto Geração XXI, o primeiro de Ação Afirmativa do país. Foi Chefe de Educação Especial do município de Diadema/SP de 2005 até 2008. Assessorou a implementação da Lei 10.639/03 em Diadema de 2005 a 2016. Em 2010 e 2011, atuou como assessora na Secretaria de Cultura de Diadema nos assuntos da cultura voltados para as questões de gênero e raça, tendo como foco a dança. Em 2013, assessorou a PMSP - DOT-P-Guaianases para a implementação da lei 10.639/03 na região de São Paulo. Em 2010 foi representar o Brasil na FESMAN (Festival Mundial de Artes Negras), no Senegal. Tem palestrado pelo Brasil sobre a temática das relações étnico-raciais, focando em: educação das relações étnico-raciais, infância negra, mulher negra, identidade negra, candomblé e educação, corporeidade afro-brasileira, danças afro-brasileiras e sobre implementação da lei 10.639/03. Com estes temas tem orientado TCC's, dissertações e teses e participado de bancas examinadoras

Publicado
29-11-2020
Como Citar
Trancoso, J. dos S. R., & Oliveira, K. R. de. (2020). PEDAGOGIA ECO-ANCESTRAL: CAMINHOS PARA (R)EXISTÊNCIA DE INFÂNCIAS NEGRAS. @rquivo Brasileiro De Educação, 8(17), 10-26. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2020v8n17p10-26
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier