Uma teocracia pentecostal? Considerações a partir da conjuntura política atual

Main Article Content

João Décio Passos

Resumo

As igrejas e indivíduos de tendência pentecostal que hoje ocupam o poder no governo brasileiro pensam e agem a partir de uma teologia política teocrática. Essa perspectiva pré-moderna superada pelas filosofias políticas antropocêntricas persiste como visão que se traduz em discursos, em atitudes e em políticas públicas. Trata-se da busca de um fundamento religioso capaz de superar a crise pela qual estariam passando o Estado e a sociedade brasileira. A afirmação de que Deus está no comando da política por meio de representantes eleitos pelo povo faz confluir o exercício democrático do poder com fundamentos teocráticos. A ascensão dos pentecostais ao poder nacional vem de algumas décadas e revelou sua presença na formação das “bancadas evangélicas”. O Estado laico institucionalmente estabelecido tem suportado gestões religiosas que se apresentam como legítimas e como urgentes para a salvação da nação do grande inimigo: as esquerdas. Projeto ultraliberal e exercício autoritário do poder têm sido a tradução política concreta do poder de Deus em ação no governo atual.

Article Details

Como Citar
PASSOS, J. D. Uma teocracia pentecostal? Considerações a partir da conjuntura política atual. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 57, p. 1109, 31 dez. 2020.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

João Décio Passos, PUC-SP

Doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil(2001)
Livre Docência pela Pontifícia Univ. Católica de SP, Brasil(2008)
Professor doutor do Instituto Teológico São Paulo , Brasil

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
ANTOINE, Charles. O integrismo brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1980.
ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus; o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das letras, 2001.
AZEVEDO, Thales de. A religião civil brasileira; um instrumento politico. Petrópolis: Vozes, 1981.
AZZI, Riolando. A neocristandade; um projeto restaurador. São Paulo; Paulus, 1994.
______ . A teologia católica na formação da sociedade colonial brasileira. Petropolis: Vozes, 2005.
BASTIAN, Jean-Pierre. La mutación religiosa de América Latina. México: Fondo de Cultura Económica, 1997.
BERGER, Peter. O dossel sagrado. São Paulo: Paulus, 1985.
BLOOM, Harold. La religión em los Estados Unidos; el surgimento de la nación poscristiana. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1997
CAMPOS, Leonildo S. Teatro, templo e mercado. Petrópolis: Vozes, 1997.
CASTELLS, Manuel. Ruptura; a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.
CESAR, Waldo-SHAULL, Richard. Pentecostalismo e futuro das igrejas cristãs. Petrópolis/São Leopoldo: Vozes/Sinodal, 1999.
CORTEN, André. Os pobres e o Espírito Santo. Petrópolis: Vozes, 1996.
DARDOT, Pierre – LAVAL, Christian. A nova razão do mundo; ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.
ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1998.
FONSECA, A. B. Foram os evangélicos que elegeram Bolsonaro? IHU On Line, 2018a. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/584446-foram-os-evangelicos-que-elegerambolsonaro
____ . FONSECA, Alexandre B. As religiões e suas contribuições para o surgimento do bolsonarismo: discursos evangélicos de uma nova direita cristã à brasileira. In: SOLANO, E. (ed.). Brasil em colapso. São Paulo: Unifesp, 2019.
FRESTON, Paul. Protestantes e política no Brasil. Campinas: Unicamp [Tese de Doutorado], 1993.
____ . Breve história do pentecostalismo brasileiro. In Nem anjos, nem demônios. Petrópolis: Vozes, 1994.
GALLEGO, Juan M. L. Integrismo e intolerância en la Iglesia. Madrid: PPC, 2019.
GONDIM, Ricardo. O evangelho da nova era; uma análise e refutação bíblica da chamada Teologia da Prosperidade. São Paulo: Abba Press, 1993.
LEVITSKY, Steven- ZIBLATT, Daniel. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.
LILLA, Mark. A grande separação; religião, politica e ocidente moderno. Lisboa: Gradiva, 2007.
MARIANO, Ricardo. Neopentecostais; sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.
MINOIS, Georges. História do ateísmo. São Paulo: Unesp, 2014.
NEMO, Philippe. O que é o ocidente? São Paulo: Martins Fontes, 2005.
PASSOS, J. Décio. Teogonias urbanas; o re-nascimento dos velhos deuses. Tese de Dutorado PEPG em Ciências Sociais. PUC-SP: 2002.
PIERUCCI, A. F. Representantes de Deus em Brasília: a bancada evangélica na Constituinte. Ciências Sociais Hoje, 1989. São Paulo: Vértice e ANPOCS, 1989.
____ . O desencantamento do mundo; todos os passos de conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 32, 2003.
PRIESTLAND, David. Uma nova história do poder; comerciante, guerreiro, as´bio. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
ROLIM, Francisco Cartaxo. Pentecostais; gênese, estrutura e função. Petrópolis: Vozes, 1985.
VV.AA. Os fundamentos. São Paulo: Agnos, 2005.
____ . Pentecostalismo; Brasil e América Latina. Petrópolis: Vozes, 1995.
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Presença, 1996.
_____ .Economia y sociedad. México: Fondo de Cultura Económica, 1997.