Evangélicos fundamentalistas e política: uma análise da conjuntura brasileira (2018-2019)

Main Article Content

Breno Martins Campos

Resumo

Este artigo reconhece que nunca se falou tanto em fundamentalismo em nosso país como agora; e que o uso ampliado do conceito poucas vezes vem associado ao espectro do protestantismo definido pela hermenêutica literal das Escrituras, como nos primórdios do movimento fundamentalista. No Brasil contemporâneo, grosso modo, fundamentalista qualifica o evangélico conservador ou reacionário, quase sempre pentecostal, e com inserção na mídia e na política. Assim, é urgente que a ação de evangélicos fundamentalistas no espaço público-político brasileiro seja compreendida pelas Ciências da Religião (em diálogo com a Teologia), uma vez que coloca em questão a democracia ao transformar interesses religiosos particulares em questões de Estado e ações de governo. O objetivo deste artigo, portanto, é avaliar como o qualificativo fundamentalista associado ao nome evangélico contribui para a compreensão da eleição de Jair Bolsonaro à presidência da República em 2018, adotando como recorte o caso da promessa de mudança da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. As conclusões alcançadas acerca das imbricações do assim chamado sionismo cristão (como um traço fundamentalista de setores evangélicos) com a eleição de Bolsonaro resultam de pesquisa bibliográfica e documental, cujos dados empíricos foram retirados do jornal Folha de S. Paulo.

Article Details

Como Citar
CAMPOS, B. M. Evangélicos fundamentalistas e política: uma análise da conjuntura brasileira (2018-2019). HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 57, p. 1162, 31 dez. 2020.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Breno Martins Campos, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP, mestre em Ciências da Religião pela UMESP, bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela UNICAMP, bacharel em Teologia pelo SPS (com integralização de créditos e validação de diploma pela EST); atualmente é professor e pesquisador na Faculdade de Ciências Sociais e no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC-Campinas.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo de. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise política. Novos Estudos CEBRAP, v. 38, n. 1, p. 185-213, jan.-abr. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/nec/v38n1/1980-5403-nec-38-01-185.pdf. Acesso em: 26 ago. 2019.
ALMEIDA, Ronaldo de; TONIOL, Rodrigo. Introdução. ALMEIDA, Ronaldo de; TONIOL, Rodrigo (Orgs.). Conservadorismos, fascismos e fundamentalismos: análises conjunturais. Campinas: Ed. UNICAMP, 2018. p. 7-13.
BALLOUSSIER, Anna Virginia. Relação de Bolsonaro e Trump com Jerusalém passa por apoio evangélico: o Brasil de 2018 tem um componente similar aos EUA de 2016: o peso do voto do segmento. Folha de S. Paulo, 7 nov. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/11/relacao-de-bolsonaro-e-trump-com-jerusalem-passa-por-apoio-evangelico.shtml. Acesso em: 30 jun. 2019.
BRASIL. Câmara dos Deputados. Ata da 91ª Sessão da Câmara dos Deputados, Deliberativa Extraordinária, Vespertina, da 2ª Sessão Legislativa Ordinária, da 55ª Legislatura, em 17 de abril de 2016. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/plenario/discursos/escrevendohistoria/destaque-de-materias/impeachment-da-presidente-dilma/sessao-091-de-170416. Acesso em: 16 out. 2019.
CALDAS, Carlos. Motivações teológicas da intenção do Governo Bolsonaro de mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Revista IHU on-line, 2 abr. 2019. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/588021-motivacoes-teologicas-da-intencao-do-governo-bolsonaro-de-mudar-a-embaixada-do-brasil-em-israel-de-tel-aviv-para-jerusalem. Acesso em: 30 jun. 2019.
CONCONE, Maria Helena Villas Boas. Pesquisa qualitativa nos estudos de religião no Brasil. In: SOUZA, Beatriz Muniz de, GOUVEIA, Eliane Hojaij; JARDILINO, José Rubens Lima (Orgs.). Sociologia da religião no Brasil. São Paulo: PUC-SP; Simpósio; São Bernardo do Campo: UMESP, 1998. p. 125-136.
COUTINHO, João Pereira. Nada de novo debaixo do sol: para mim, ver um comprimido é como a promessa de um osso para um cachorro. Folha de S. Paulo, 4 set. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/joaopereiracoutinho/2018/09/nada-de-novo-debaixo-do-sol.shtml. Acesso em: 13 jun. 2019.
CUNHA, Magali. A hegemonia pentecostal no Brasil: como os evangélicos pentecostais passaram a dominar importantes espaços na política, no mercado e nas mídias. Cult – Revista Brasileira de Cultura, v. 22, n. 252, p. 24-27, dez. 2019.
DUVIVIER, Gregorio. Já tivemos outro assunto. Que saudade de reclamar da tomada de três pinos. Folha de S. Paulo, 7 ago. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/gregorioduvivier/2019/08/ja-tivemos-outro-assunto.shtml. Acesso em: 28 ago. 2019.
EVANGÉLICOS lamentam recuo de Bolsonaro ao anunciar escritório em Jerusalém. Pastor Silas Malafaia, porém, defendeu presidente ao dizer que 'EUA levaram 9 meses para mudar embaixada'. Folha de S. Paulo, 1º abr. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/04/evangelicos-lamentam-recuo-de-bolsonaro-ao-anunciar-escritorio-em-jerusalem.shtml. Acesso em: 29 jun. 2020.
FACHIN, Patricia. A admissibilidade do impeachment e o pragmatismo evangélico. Entrevista especial com Magali Cunha. Revista IHU on-line, 28 abr. 2016. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/554233-a-admissibilidade-do-impeachment-e-o-pragmatismo-evangelico-entrevista-especial-com-magali-cunha. Acesso em: 23 jun. 2020.
FERNANDES, Talita. Bolsonaro afirma que transferirá embaixada para Jerusalém até 2021. Governo abriu escritório de negócios na cidade após críticas de países árabes à mudança. Folha de S. Paulo, 3 fev. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/02/bolsonaro-afirma-que-transferira-embaixada-para-jerusalem-ate-2021.shtml. Acesso em: 29 jun. 2020.
GIELOW, Igor. Bolsonaro deverá trocar embaixada por escritório em Jerusalém. Presidente havia feito promessa de mudança do local de representação diplomática, mas enfrentou resistências. Folha de S. Paulo, 28 mar. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/03/bolsonaro-pode-trocar-embaixada-por-escritorio-em-jerusalem.shtml. Acesso em: 10 jun. 2020.
GIELOW, Igor. Na primeira live, Bolsonaro usa Churchill contra acusação de fascismo: eleito tinha memórias do estadista, versão popular da Bíblia, Constituição e polemista à mesa. Folha de S. Paulo, 29 out. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/10/na-primeira-live-bolsonaro-usa-churchill-contra-acusacao-de-fascismo.shtml. Acesso em: 3 jul. 2019.
GIELOW, Igor. Netanyahu terá encontro com Bolsonaro no Brasil antes da posse. Premiê israelense deve ser recebido pelo presidente eleito no dia 28 de dezembro. Folha de S. Paulo, 18 dez. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/12/netanyahu-tera-encontro-com-bolsonaro-no-brasil-antes-da-posse.shtml. Acesso em: 4 jul. 2019.
GIELOW, Igor. Premiê de Israel não deve mais ir à posse de Bolsonaro. Netanyahu, em crise política, era estrela do evento; encontro com eleito na sexta permanece. Folha de S. Paulo, 25 dez. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/12/premie-de-israel-nao-deve-mais-ir-a-posse-de-bolsonaro.shtml. Acesso em: 4 jul. 2019.
KAMLER, Barbara; THOMSON, Pat. Trabalhando com literaturas. In: SOMEKH, Bridget; LEWIN, Cathy (Orgs.). Teoria e métodos de pesquisa social. Petrópolis: Vozes, 2015. p. 45-55.
MENDONÇA, Antonio Gouvêa. Uma macro-reflexão sobre o campo religioso brasileiro: variações sobre dois temas "bourdieuanos" – A propósito da morte de Pierre Bourdieu (23/01/02). Estudos de Religião, v. XVI, n. 23, p. 22-40, jul.-dez. 2002.
MERRITT, Jonathan. Compreender a obsessão evangélica com Israel. Revista IHU on-line, 13 dez. 2017. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/186-noticias/noticias-2017/574575-compreender-a-obsessao-evangelica-com-israel. Acesso em: 30 jun. 2019.
MILLS, Charles Wright. A imaginação sociológica. 3 ed. Rio de Janeiro, 1972.
NETANYAHU diz que Bolsonaro se comprometeu a mudar embaixada para Jerusalém em 2020. Premiê deu declaração ao lado de Eduardo durante a inauguração de escritório comercial brasileiro na cidade. Folha de S. Paulo, 15 dez. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/12/com-presenca-de-netanyahu-brasil-inaugura-escritorio-comercial-em-jerusalem.shtml. Acesso em: 10 jun. 2019.
OYAMA, Thaís. Tormenta. O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.
PIERUCCI, Antônio Flávio. Fundamentalismo e integrismo: os nomes e a coisa. Revista USP, São Paulo, n. 13, p. 144-156, 1992. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/25620/27360. Acesso em: 3 out. 2017.
PONDÉ, Luiz Felipe. Três relatos ridículos: "coletivos" vigiam em festas o comportamento dos meninos que gostam de meninas. Folha de S. Paulo, 16 jul. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/luizfelipeponde/2018/07/tres-relatos-ridiculos.shtml. Acesso em: 13 jun. 2019.
QUEIROZ, Christina. Fé pública: pesquisadores locais e estrangeiros buscam compreender crescimento evangélico no Brasil, o maior do mundo. Pesquisa FAPESP, v. 20, n. 286, p. 12-19, dez. 2019.
REINKE, André Daniel. O sionismo cristão e sua influência na cultura protestante brasileira. 2018. 151f. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Programa de Pós-Graduação em Teologia, Faculdades EST, 2018.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez, 2018.
SINGER, André. Jair Bolsonaro, até aqui, joga no escuro: eleito com uma plataforma vaga, ele agora será obrigado a tomar decisões. Folha de S. Paulo, 8 set. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/andresinger/2018/12/jogando-no-escuro.shtml. Acesso em: 23 jun. 2019.
VELASQUES FILHO, Prócoro. O nascimento do "racismo" confessional: raízes do conservadorismo protestante e do fundamentalismo. In: MENDONÇA, Antonio Gouvêa; VELASQUES FILHO, Prócoro. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1990. p. 111-131.
WACHHOLZ, Wilhelm; REINKE, André Daniel. "Pela paz de Jerusalém". A origem do sionismo cristão, sua influência na igreja protestante brasileira e sua atuação no Congresso Nacional. Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH, v. XIII, n. 37, p. 253-273, mai.-ago. 2020.