Ensaio de espiritualidade não religiosa: um estudo a partir de indivíduos sem religião em Belo Horizonte

Main Article Content

José Álvaro Campos Vieira

Resumo

Resumo - Tese de Doutorado

Article Details

Como Citar
VIEIRA, J. ÁLVARO C. Ensaio de espiritualidade não religiosa: um estudo a partir de indivíduos sem religião em Belo Horizonte. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 57, p. 1420, 31 dez. 2020.
Seção
Dissertações e Teses/Dissertations and Theses (Resumo/Abstract)

Referências

AMARAL, Leila. Cultura religiosa errante. O que o Censo de 2010 pode nos dizer além dos dados. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento. O Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 295-310.

ANTONIAZZI, Alberto. Por que o panorama religioso no Brasil mudou tanto? Horizonte, Belo Horizonte, v. 3, n. 5, p. 13-39, 2º sem. 2004.

BELO HORIZONTE. Prefeitura municipal. Bairros. Disponível em: http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/estrutura-territorial/bairros. Acesso em: 03 jan. 2017a.

BELO HORIZONTE. Prefeitura municipal. Censo 2010. População Residente e Densidade Demográfica por Bairro, Território de Gestão Compartilhada e Regional. Disponível em: http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/mapas-e-estatisticas/censo-2010. Acesso em: 04 jan. 2017d.

BELO HORIZONTE. Prefeitura municipal. História de bairros. Belo Horizonte. Regional Leste. Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte. Disponível em: http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/sites/gestaocompartilhada.pbh.gov.br/files/biblioteca/arquivos/historias_de_bairros_-_leste.pdf. Acesso em: 03 jan. 2017b.

BELO HORIZONTE. Prefeitura municipal. Regiões administrativas. Disponível em: http://gestaocompartilhada.pbh.gov.br/estrutura-territorial/regioes-administrativas. Acesso em: 04 jan. 2017c.

BELO HORIZONTE. Prefeitura municipal. Secretaria municipal de educação. Disponível em: https://prefeitura.pbh.gov.br/educacao. Acesso em: 05 jan. 2017e.
BERGER, Peter. A dessecularização do mundo: uma visão global. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, ISER, v.21, p.9-23, 2001.

BHZ PERIFERIA. Disponível em: http://bhzperiferia.com/albuns/8590/3-bhzperiferia-taquaril. Acesso em: 04 jan. 2017.

CARVALHO, Guilherme Gonçalves de. Amostragem na Pesquisa Qualitativa. Disponível em: http://designinterativo.blogspot.com.br/2006/08/amostragem-na-pesquisa-qualitativa.html. Acesso em: 10 fev. 2016.

CARVALHO, Izabella Faria de. Mapa das religiões em Belo Horizonte. Trabalho apresentado no II Colóquio Interdisciplinar de Teologia e Pastoral: Censo & Evangelização, promovido em parceria pela PUC-Minas, FAJE e ISTA, realizado em 19, 20 e 21 de maio de 2014, em Belo Horizonte.









CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de Métodos Mistos. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. Pesquisa nacional da Cesta Básica de Alimentos. Salário mínimo nominal e necessário. Disponível em: https://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html. Acesso em : 07 jan. 2017.

DESLANDES, Suely Ferreira. O projeto de pesquisa como exercício científico e artesanato intelectual. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org). Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015, p. 31-60.

DESLAURIERS, Jean-Pierre; KÉRISIT, Michèle. O delineamento de pesquisa qualitativa. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2014, p. 127-153.

GEOGRAFIA NEWS. Faixas salariais X Classe social. Disponível em: https://www.geografianews.com/single-post/2017/07/14/Faixas-Salariais-x-Classe-Social?fb_comment_id=1902252359792320_1903372933013596. Acesso em: 07 jan. 2017.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUIA TRABALHISTA. Tabela dos valores nominais do salário mínimo. Disponível em: http://www.guiatrabalhista.com.br/guia/salario_minimo.htm. Acesso em: 06 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. A História do Censo no Brasil. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/censo/censobrasil.shtm. Acesso em: 02 ago. 2017b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010: Áreas de Ponderação - Resultados da Amostra. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/apps/areaponderacao/index.html. Acesso em: 03 jan. 2017k.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Indicadores Sociais Municipais 2010: incidência de pobreza é maior nos municípios de porte médio. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?busca&id=1&idnoticia=2019&t=indicadores-sociais-municipais-2010-incidencia-pobreza-maior-municipios-porte-medio&view=noticia. Acesso em: 06 jan. 2017p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000009352506122012255229285110.pdf. Acesso em 07 ago. 2017e.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Características da População e dos Domicílios. Resultados do universo. Disponível em:
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 18 ago. 2017s.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: Resultados Gerais da Amostra por áreas de ponderação. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/resultados_gerais_amostra_areas_ponderacao/default.shtm. Acesso em: 03 jan. 2017g.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Conheça cidades e estados do Brasil. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 03 jan. 2017h.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Educação e trabalho. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/suppme/analiseresultados2.shtm. Acesso em: 16 jun. 2019b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Em 2010, 76,9% das empresas brasileiras usaram Internet para fins de trabalho. Disponível em:
https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/14338-asi-em-2010-769-das-empresas-brasileiras-usaram-internet-para-fins-de-trabalho. Acesso em: 16 jun. 2019a.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas do século XX. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Noções Básicas de Cartografia. Disponível em:
www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/elementos_representacao.html. Acesso em: 18 ago. 2017t.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. O setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil 2003-2006. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População jovem no Brasil. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/populacao_jovem_brasil/. Acesso em: 12 fev. 2017q.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População por religião. Disponível em:
http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=POP60. Acesso em: 02 ago. 2017i.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Questionário da Amostra. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/coleta/questionarios. Acesso em: 20 jun. 2017u.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Rendimento Nominal Mensal. Disponível em: https://7a12.ibge.gov.br/voce-sabia/vocabulario/1575-rendimento-nominal-mensal. Acesso em 05 jan. 2017m.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 1.4. População nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação – 1872/2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse/sinopse_tab_brasil_zip.shtm. Acesso em: 02 ago. 2017c.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 137. População residente, por religião. Disponível em: www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=2&i=P&c=137. Acesso em: 31 jul. 2017a.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 1489 - População residente, por cor ou raça, segundo o sexo e a religião. Disponível em:
www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=t&c=1489. Acesso em: 06 ago. 2017n.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 2103 - População residente, por situação do domicílio, sexo, grupos de idade e religião. Disponível em:
www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=13&i=P&c=2103. Acesso em: 05 ago. 2017d.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 3457 - Pessoas de 25 anos ou mais de idade, por nível de instrução, sexo e religião. Disponível em:
www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=t&c=3457. Acesso em: 16 mai. 2017f.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tabela 3458 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, exclusive as cuja condição no domicílio era pensionista, empregado(a) doméstico(a) ou parente do(a) empregado(a) doméstico(a), por religião, sexo e classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita. Disponível em:
www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=cd&o=13&i=P&c=3458. Acesso em: 16 mai. 2017r.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Taxa média geométrica de crescimento anual da população. Disponível em:
http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=pop119. Acesso em: 05 ago. 2017j.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org). Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis: Vozes, 2015, p. 9-29.

MINAS GERAIS. Governo estadual. Lista de escolas. Disponível em: https://www.educacao.mg.gov.br/parceiro/lista-de-escolas. Acesso em: 05 jan. 2017a.

MINAS GERAIS. Governo estadual. Legislação Mineira. Dispõe sobre a região Metropolitana de Belo Horizonte. Disponível em: https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=LCP&num=89&comp=&ano=2006&aba=js_textoAtualizado#texto. Acesso em: 12 jan. 2017b.

MOVIMENTO negro. Wikipédia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Movimento_Negro. Acesso em: 05 set. 2017.
O TEMPO. Cidades. Brigas do tráfico dão a bairro Alto Vera Cruz título de mais violento. Disponível em: http://www.otempo.com.br/cidades/brigas-do-tr%C3%A1fico-d%C3%A3o-a-bairro-alto-vera-cruz-t%C3%ADtulo-de-mais-violento-1.999839. Acesso em: 04 jan. 2017.

OLIVEIRA, Pedro Assis Ribeiro. A desafeição religiosa de jovens e adolescentes. Cadernos IHU em formação, a grande transformação no campo religioso brasileiro, São Leopoldo, ano VIII, n. 43, p. 26-29, 2012a.

PANORAMIO. Google Mapas. Disponível em: http://www.panoramio.com/photo/37525083. Acesso em: 04 jan. 2017.

PASSOS, Mauro; ROCHA, Daniel; ZORZIN, Paola La Guardia. O que (não) dizem os números - para além das estatísticas sobre o Novo Mapa das Religiões Brasileiro. Horizonte, Belo Horizonte, v. 9, n. 23, p. 690-714, out./dez. 2011.

PAUGAM, Serge. Escolha e limites do modo de objetivação. In: PAUGAM, Serge (coord.). A pesquisa sociológica. Petrópolis: Vozes, 2015, p. 53-64.

RICHARDSON, Roberto Jarry et al. Pesquisa social. Métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

RODRIGUES, Denise dos Santos. Os “sem religião” e a crise do pertencimento institucional no Brasil. 2009. O caso fluminense. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 2009.

TEIXEIRA, Faustino. O Censo de 2010 e as religiões no Brasil: esboço de apresentação. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento. O Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 17-35.

VIEIRA, José Álvaro C. Os sem-religião. Aurora de uma espiritualidade não religiosa. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2018.