Sexo, gênero e homossexualidade: o que diz o povo-de-santo paulista?

Milton Silva dos Santos

Resumo


Resumo

 

"O candomblé aceita o homossexualismo porque é uma religião que não tem pecado. Não interessa se você seja homem, mulher ou gay. Não importa a opção sexual. (...) Você pode ver. É uma religião de homossexuais". É assim que um filho-de-santo responde a uma pergunta sobre a notável presença de homossexuais iniciados na religião dos orixás. Se comparadas a outras denominações hostis e indiferentes às orientações não-heterossexuais, o candomblé e outras devoções afro-brasileiras são, de fato, mais tolerantes à participação de homossexuais, permitindo-lhes ocupar todos os postos previstos na hierarquia ritual. Embora estejam entre as expressões religiosas que menos discriminam o indivíduo por razões de preferência sexual, percebemos por meio da literatura especializada e de uma pesquisa de campo, realizada na região metropolitana de São Paulo, que os candomblecistas também empregam em seus discursos argumentos ou narrativas míticas, certos princípios e valores seculares articulados à moralidade cristã e que dão sustentação à hierarquia de sexo/gênero - conforme alguns sacerdotes, as categorias homem/mulher e masculino/feminino devem corresponder às expectativas sociais esperadas para cada ser sexuado. Em virtude disso, tratar de homossexualidade nas comunidades-terreiro, ao contrário do que possa parecer, é um tema delicado, restrito e rodeado de tabus.

 

Palavras-chave: Candomblé; Gênero; Sexualidade; Homossexualidade.

 

Abstract

 

"Candomblé accepts homosexualism because it is a religion where sin does not exist. It does not matter whether you are a man, a woman or gay. Your sexual choice does not matter. [...] You can see it. It is a religion of homosexuals." This is how a filho-de-santo answers a question about the remarkable presence of homosexuals initiated into the orixás' religion. If compared to other denominations, hostile or indifferent to nonheterosexual orientations, candomblé and other Afro-Brazilian religions are indeed more tolerant to the participation of homosexuals, allowing them to hold all positions in the ritual hierarchy. However, based on the literature and on a field research carried out in the São Paulo metropolitan region, we realized that those affiliated to candomblé, although following one of the religions with the lowest degree of prejudice against individuals due to their sexual preference, also employ in their discourse arguments or mythical narratives, secular principles and values articulated with Christian morality, which support the sex/gender hierarchy: according to some priests, man/woman and male/female categories must correspond to the social expectations of each sexual being. Thus, on the contrary, approaching homosexuality in Afro-Brazilian religious communities is a delicate and restricted matter, surrounded by taboos.

Key words: Candomblé; Gender; Sexuality; Homosexuality.


Palavras-chave


Candomblé; Gênero; Sexualidade; Homossexualidade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Esta obra está licenciada sob uma Attribuiton 4.0 Internacional:  
Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)

 

Redes Sociais:

 

 

Filiada: Apoio:

Logotipo do IBICT

 

 

 

Indexadores e Repositórios/Banco de dados:


Latindex Sumários de Revistas   Brasileiras



 

Presença em algumas bibliotecas no exterior: