Teologia a partir do vácuo – sobre dois textos de Dostoievski: Meditação diante do corpo de Maria Dimitrevna e A Dócil

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jimmy Sudário Cabral

Resumo

O artigo analisa dois textos de Dostoievski, o primeiro, “Meditação sobre o corpo de Maria Dimitrievna”, redigido em 16 de abril de 1864, diante do cadáver de sua primeira esposa. É um dos raros textos onde Dostoievski escreve em primeira pessoa sobre suas convicções religiosas. A cena do corpo frio e inerte reflete a impotência da vida diante da mecânica impiedosa da natureza, tema que será recorrente nos futuros romances do autor, como em O Idiota, onde Dostoievski traduz o terrível sentimento de incerteza e repulsa diante da experiência da morte. No segundo texto, A Dócil, encontramos uma reflexão que se aproxima, surpreendentemente, da confissão pessoal que encontramos em sua Meditação. Nele Dostoievski descreve os pensamentos de um marido que anda de um lado para o outro do quarto, onde estão os restos mortais da esposa, que cometera suicídio atirando-se de uma janela com um ícone preso na mão. Nos dois textos, nos deparamos com o Dostoievski homem e o Dostoievski artista, portador de uma sensibilidade que traduz uma consciência religiosa e trágica acerca dos limites da natureza e da razão.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CABRAL, J. S. Teologia a partir do vácuo – sobre dois textos de Dostoievski: Meditação diante do corpo de Maria Dimitrevna e A Dócil. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 13, n. 38, p. 992-1020, 3 jul. 2015.
Seção
Artigos/Articles: Temática Livre/Free subject
Biografia do Autor

Jimmy Sudário Cabral, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor no Departamento e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora. Doutor em Teologia e Ciências da Religião pela PUC-Rio e Université de Strasbourg. Doutorando em Filosofia pela USP