Entre peregrinação, turismo e liminaridade: a busca por lugares

Main Article Content

Júlio Cézar Adam

Resumo

Este artigo reflete sobre o aspecto antropológico da peregrinação, o caminhar humano, como metáfora para a vida, como uma forma de se relacionar e entender a religião, a espiritualidade, a própria vida e o turismo como formas de peregrinação.Tomar-se-á para análise as peregrinações da tradição cristã, buscando entendê-las a partir da antropologia de Victor Turner, analisando a peregrinação como estado de liminaridade e liminóide. Concretamente se olhará o caso das Romarias da Terra no Brasil, como um exemplo de liminaridade/liminóide e communitas. Além disso, este artigo reflete sobre os “novos centros” de peregrinação, fora do âmbito religioso, como espaços da cultura pop ou a visita a locais turísticos e monumentos da memória social e cultural. O objetivo é entender para onde as pessoas têm peregrinado e qual o sentido dessas peregrinações. Neste deslocamento para fora do âmbito religioso, se pergunta se seria o turismo também uma forma de peregrinação. Ou faltaria ao turismo justamente o aspecto liminar, algo que poderia estar relacionado à análise de Bauman sobre o turista e o vagabundo? Suspeita-se que em um mundo globalizado os lugares perdem seu conteúdo e sua identidade. Pessoas passam pelos lugares, mas os lugares já não passam por elas. Com isso, o caminhar perde também sua função liminar.

Article Details

Como Citar
ADAM, J. C. Entre peregrinação, turismo e liminaridade: a busca por lugares. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 16, n. 49, p. 66-87, 30 abr. 2018.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Júlio Cézar Adam, Faculdades EST (EST)

Doutor em Teologia pelo Universität Hamburg. Professor da Escola Superior de Teologia das Faculdades EST.