Literatura indígena entre tradição ancestral e crítica do presente: sobre a voz-práxis indígena em termos estético-literários

  • Leno Francisco Danner PUCRS
  • Julie Dorrico PUCRS
  • Fernando Danner PUCRS
Palavras-chave: Literatura de Minorias, Literatura Indígena, Tradição Comunitária Ancestral, Crítica do Presente, Voz-Práxis

Resumo

Argumentaremos que a literatura de minorias de um modo geral e a literatura indígena em particular possibilitam a publicização da voz-práxis dessas mesmas minorias (em nosso caso, aqui, dos indígenas) desde uma perspectiva que intersecciona eu e comunidade-grupo e que se funda e se constitui por meio da tríade memória (enquanto comunidade e como vítima), autoafirmação (como minoria) e resistência político-cultural (contra a marginalização, a exclusão e a violência sofridas e vividas como minorias). No que se refere à literatura indígena brasileira, argumentaremos que ela se desenvolve nessa correlação de retomada e afirmação da tradição comunitária ancestral (o que liga de modo totalmente imbricado sujeito estético-literário e comunidade de cultura) e crítica do presente (a constituição de uma voz-práxis vinculada, carnal e política, relatada autobiográfica e mnemonicamente), possibilitando-se e impulsionando-se a publicização da própria condição e o ativismo estético-político do indígena frente às instituições e aos demais sujeitos epistemológico-políticos, rompendo-se com o silenciamento em torno à questão indígena estabelecido em termos de esfera pública. Assim, nosso argumento central consiste em que a literatura de minorias e a literatura indígena se constituem diretamente como ativismo estético-literário por meio seja da utilização da – e em termos da própria vinculação à – tradição comunitária (o eu-nós lírico, político, cultural), seja da voz-práxis de denúncia e de desvelamento da condição de exclusão, de marginalização e de violência vividas – essa é, defendemos, uma condição fundamental para se analisar o sentido da autoria e da expressão estético-literária das minorias em geral e das produções indígenas em particular.

Biografia do Autor

Leno Francisco Danner, PUCRS

Doutor em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor de teoria política no Departamento de Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Rondônia. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-2332-3182.

Julie Dorrico, PUCRS

Doutoranda em teoria da literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). ORCID: http://orcid.org/0000-0002-5428-2432.

Fernando Danner, PUCRS

Doutor em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professor de ética e filosofia política no Departamento de Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). ORCID: http://orcid.org/0000-0002-4541-1204.

Referências

ALMEIDA, Maria Inês de. Desocidentada: experiência literária em terra indígena. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.
ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz – as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica; FALE/UFMG, 2004.
ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987.
BONVINI, Emilio. “Textos orais e texturas orais”. In: Queiroz, S. A tradição oral. FALE/UFMG, p. 5-24, 2006.
CÉSAR, América Lúcia Silva. Lições de abril: a construção da autoria entre os Pataxó de Coroa Vermelha. Salvador: EDUFBA, 2011.

CESARINO, Pedro Niemayer. Oniska: poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 2011.
CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.
COSTA, Suzane Lima. “Povos indígenas e suas narrativas autobiográficas”. In: Estudos Linguísticos e Literários, n. 50, p. 65-82, jul-dez, Salvador, 2014.
DALCASTAGNÉ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte, 2012.
D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. “Contra a ditadura da escola”. In: Caderno Cedes, Campinas, Ano XIX, nº 49, p. 18-25, 1999.
D’ANGELIS, Wilmar da Rocha. Como nasce e por onde se desenvolve uma tradição escrita em sociedades de tradição oral? Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2007.
FEIL, Roselene Berbigeier. “O (não) lugar do indígena na ‘literatura brasileira’: por onde começar a inclusão?” In: Boitatá (Londrina), p. 122-137, 2011.
FERNANDES, Estevão Rafael. “Ensino de filosofia e cultura amazônica: Uma apologia aos saberes periféricos”. In: DANNER, Leno Francisco. (Org.). Ensino de Filosofia e Interdisciplinaridade. Porto Alegre: Editora Fi, p. 124-148, 2013.
FERNANDES, Estevão Rafael. “Quando existir é resistir: Two-spirit como crítica colonial”. In: OLIVEIRA, Marcus Vinicius Xavier de; DANNER, Leno Francisco; DANNER, Fernando; DORRICO, Julie (Orgs.). As diferenças no ensino de filosofia: reflexões sobre filosofia e/da educação. Porto Alegre, RS: Editora Fi, p. 291-396, 2017.
FINNEGAN, Ruth. “O significado da literatura em culturas orais”. In: QUEIROZ, S. (Org.) A tradição oral. FALE/UFMG, p. 64-102, 2006.
GOLDEMBERG, Deborah; CUNHA, Rubelise da. “Literatura indígena contemporânea: o encontro das formas e dos conteúdos na poesia e prosa do I Sarau das Poéticas Indígenas”. In: Espaço Ameríndio. Porto Alegre, v. 4, nº. 1, p. 117-148, 2010.
GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.
GRAÚNA, Graça. “Identidade indígena: uma leitura das diferenças”. In: POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global Editora, 2004, p. 17-21, 2004.
GUEDES, Peonia Viana. “Narrando o sujeito feminino de origem indígena: práticas autobiográficas na construção de identidades pessoais e culturais”. In: HARRIS, Leila Assumpção (Org.). A voz e o olhar do outro. Rio de Janeiro: Letra Capital, p. 68-80, 2009.
JECUPÉ, Kaká Werá. Oré Awé Roiru’a Má: todas as vezes que dissemos adeus. São Paulo: TRIOM, 2002.
JEKUPÉ, Olívio. Xerekó Arandu: a morte de Ângelo Kretã. São Paulo: Peirópolis, 2002.
KLINGER, Diana Irene. Escritas de si, escritas do outro: autoficção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação de Letras da UERJ, Rio de Janeiro, 2006.
KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
KRENAK, Ailton. Encontros. Organização de Sérgio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.
LIBRANDI-ROCHA, Marília. “Escutar a escrita: por uma teoria literária ameríndia”. In: O eixo e a roda, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 179-202, 2012.
MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa, 2007.
MUNDURUKU, Daniel. Memórias de índio: uma quase autobiografia. Porto Alegre: Edelbra, 2016.
MUNDUKU, Daniel. “Visões de ontem, hoje e amanhã: é hora de ler as palavras”. In: POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global Editora, 2004, p. 15-16.
POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. Editora Global, São Paulo, 2004.
RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.
RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009.
RISÉRIO, Antônio. Textos e Tribos – poéticas extraocidentais nos trópicos brasileiros. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1993.
SÁ, Lúcia. Literatura da floresta: textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.
SÁEZ, Oscar Calavia. “Autobiografia e liderança indígena no Brasil”. In: Tellus, Campo Grande – MS, ano 7, n. 12, p. 11-32, 2007.
SÁEZ, Oscar Calavia. “Autobiografia e sujeito histórico indígena”. In: Novos Estudos (CEBRAP), São Paulo, n. 76, p. 179-195, 2006.
THIÉL, Janice Cristina. Pele silenciosa, pele sonora: a construção da identidade indígena brasileira e norte-americana na literatura. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, 2006.

Sites consultados:
Bibliografia das publicações indígenas do Brasil. Organização de Aline Franca, Daniel Munduruku e Thulio Dias Gomes. Data de acesso: 04/04/2019. Disponível em:
https://pt.wikibooks.org/wiki/Bibliografia_das_publica%C3%A7%C3%B5es_ind%C3%ADgenas_do_Brasil/Lista_de_autores_(por_origem)
Publicado
08-07-2020
Como Citar
Danner, L. F., Dorrico, J., & Danner, F. (2020). Literatura indígena entre tradição ancestral e crítica do presente: sobre a voz-práxis indígena em termos estético-literários. Scripta, 24(50), 205-256. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n50p205-256