O fundamentalismo como proselitismo de legitimação: o que há de comunicação na incomunicabilidade religiosa

Main Article Content

Luiz Signates

Resumo

Trata este trabalho de um estudo do fundamentalismo, sob a perspectiva da tensão entre comunicabilidade e incomunicabilidade, entrevista nas dinâmicas religiosas em geral. Após um breve escorço histórico a respeito do tema, concentra-se na vertente religiosa para, em seguida, abordar o fundamentalismo no âmbito de sua contradição específica: a da incomunicabilidade do dogmatismo, radicado no literalismo, na incapacidade para o diálogo e nas ações políticas extremistas, até o terrorismo, em tensão permanente com a necessidade comunicacional de visibilidade e reconhecimento. Há, pois, uma natureza comunicacional específica, na incomunicabilidade dos processos de dogmatização e fechamento dialógico inscritos nos fenômenos fundamentalistas, a que se denomina uma propensão comunicativa da promoção da incomunicabilidade. Por fim, postula-se o fundamentalismo religioso como um proselitismo de legitimação, que tensiona os polos entre o dogma e o vínculo, ao adotar, contraditoriamente, a radicalização de ambos, e testar, nesse sentido, os limites da tolerância, como postulado da modernidade.

Article Details

Como Citar
SIGNATES, L. O fundamentalismo como proselitismo de legitimação: o que há de comunicação na incomunicabilidade religiosa. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 18, n. 56, p. 485, 31 ago. 2020.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Luiz Signates, PPG Ciências da Religião Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Luiz Signates é professor associado I da Universidade Federal de Goiás, junto ao Mestrado em Comunicação, na linha Mídia e Cidadania e docente efetivo do Doutorado em Ciências da Religião, na linha Cultura e Sistemas Simbólicos, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Leciona também nos Cursos de Jornalismo de ambas as instituições. É Pós-Doutor em Epistemologia da Comunicação (Unisinos), Doutor em Ciências da Comunicação (USP), Mestre em Comunicação (UnB), Especialista em Políticas Públicas (UFG) e graduado em Comunicação Social - Jornalismo (UFG). Fundador e membro das Academias de Letras de Goiânia e de Aparecida de Goiânia, fundador e Presidente do Centro de Soluções em Tecnologia e Educação - CENTEDUC; e Sócio-Proprietário do Instituto Signates Consultoria, Pesquisa e Editoração Ltda. Coordena os Núcleos de Pesquisa em Comunicação, Cidadania e Política (UFG) e Comunicação e Religiosidade (UFG). É Consultor de Comunicação do Museu Antropológico da UFG. É pesquisador nas áreas de Comunicação e de Ciências da Religião. No campo científico da comunicação, atua principalmente nas temáticas: epistemologia e metodologia da pesquisa em comunicação, comunicação e política, comunicação e religiosidade, comunicação e cidadania, e comunicação e teoria social crítica. Na área de ciências da religião, dedica-se ao estudo do espiritualismo brasileiro, com enfoques antropológico, sociológico e comunicacional.

Referências

ADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, n. 50, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8650718/16883. Acesso em: 02 fev. 2019.

ALTEMEYER, Bob; HUNSBERGER, Bruce. Fundamentalism and authoritarianism. In: PALOUTZIAN, Raymond F.; PARK, Crystal L. Handbook of the psychology of religion and spirituality. New York : The Guilford Press, 2005. p. 378-393.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 2011.

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ARMSTRONG, Karen. The battle of God. New York : Random House, 2000.

BAUDRILLARD, Jean. The masses: the implosion of the social in the media. New Literary History, v. 16, n. 3, p. 577-589, Spring 1985.

BIANCHI, Alvaro. A guerra que estamos perdendo. In: DEMLER, Felipe; HOEVELER, Rejane (orgs.). A onda conservadora: ensaio sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016, p. 121-124.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro : Campus, 2004.

BRUCE, Steve. Fundamentalism. Cambridge :Polity Press, 2008.

CAMPOS, Paul F. Secular Fundamentalism. Columbia Law Review, v. 94, p. 1824–1825, 1994.

CAPLAN, Lionel (org.). Studies in religious fundamentalism. New York : State Universityof New York Press, 1987.

CARDOSO, Priscila F. G.; ALVES, Luciano. Conservadorismo e laicidade de estado: subsídios para o debate no serviço social. Temporaris, v. 18, n. 36, p. 45-64, jul.-dez.2018.

CHAGAS, Camila; GUALBERTO, Ana. Caminhos abertos para superar o ódio e a intolerância na Bahia. Salvador :Koinonia; Rio de Janeiro : Fundação Heinrich Böll, 2019.

CHOMSKY, Noam. Mídia: propaganda política e manipulação. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

CIOCCARI, Deysi. O atentado contra Jair Bolsonaro: imagem e a violência nas eleições 2018. Líbero. Ano XXI, nº 42, p. 127-142, jul-dez/2018.

CIOCCARI, Deysi; PERSICHETTI, Simonetta. Armas, ódio, medo e espetáculo em Jair Bolsonaro. Revista Alterjor. Ano 9, V. 2, Ed. 18, p. 201-214, Jul-Dez/2018.

COLE, Stewart G. The history of fundamentalism. Eugene: Wipfand Stock Publishers, 2008.

COMBLIN, José. Teologia da libertação, teologia neoconservadora e teologia liberal. Petrópolis: Vozes, 1985.

COSTA, Otávio B. R. da. Das relações entre a modernidade e o fundamentalismo religioso. Teocomunicação. Porto Alegre, v. 44, n. 2, p. 220-246, maio-ago. 2014.

DREHER, Martim N. Para entender o fundamentalismo. São Leopoldo : Sinodal, 2006.

DUTRA, Daniela A. M.; FRANCISCO, Eduardo de R. Text mining: análise de sentimentos nas eleições 2018. Congresso de Transformação Digital 2018. São Paulo : Fundação Getúlio Vargas, 2018. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ocs/index.php/ctd/ctd2018/paper/view/6975/0. Acesso em: 02 fev. 2019.

ECCO, Clóvis. Fundamentalismo religioso e violência. In: OLIVEIRA, Irene; ECCO, Clovis. Religião, violência e suas interfaces. São Paulo : Paulinas, 2012. p. 31-42

ECO, Umberto. Migração e intolerância. São Paulo: Record, 2020.

FGV-DAPP. O estado da desinformação: Eleições 2018. Sala de Democracia Digital/Fundação Getúlio Vargas, set/2018. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/25743. Acesso em: 02 fev. 2019.

FLICKINGER, Hans-Georg. Apresentação. In: DE BONI, Luis A. (org.). Fundamentalismo. Porto Alegre :Edipucrs, 1995, p. 7-8

FREITAS, Luiz C. Escolas aprisionadas em uma democracia aprisionada: anotações para uma resistência propositiva. Revista Histedbr On-line, Campinas, v. 18, n. 4 [78], p. 906-926, out.-dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8654333/19019. Acesso em: 02 fev. 2019.

FURTADO, Henrique. O “efeito Bolsonaro”. Open Democracy. Disponível em: https://www.opendemocracy.net/henrique-furtado/o-efeito-bolsonaro. Acesso em: 02 fev. 2019.

GRAU, Larissa. O fundamentalismo religioso e a “bomba inteligente”. In: A bomba inteligente: processo de construção de identidade e de visibilidade midiática dos homens-bomba palestinos. Belo Horizonte: Fumec, 2007.

HABERMAS, Jürgen. The inclusion of the other: studies in political theory. Cambridge: MIT Press, 1999.

HARDING, Susan. Representing fundamentalism: the problem of the repugnant cultural other. Social Research, v. 58, n. 2, p. 373-393, Summer 1991.

HILL, Eric D.; TERRELL, Heather K.; COHEN, Adam B.; NAGOSHI, Craig T. The role of social cognition in the religious fundamentalism-prejudice relationship. Jornal for the Scientific Study of Religion, v. 49, n. 4, p. 724-739, 2010.

HUNTER, Wendy; POWER, Timothy J. Bolsonaro and Brazil's Illiberal Backlash. Journal of Democracy, v. 30, n. 1, p. 68-82, January 2019.

MACHADO, Maria das Dores C. Política e religião: a participação dos evangélicos nas eleições. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

MARSDEN, George M. Understanding fundamentalismo and evangelicalism. Grand Rapids: Wlliams B. Eerdmans, 1991.

MENDONÇA, Ricardo F.; MAIA, Rousiley C. M. Atores coletivos e participação: o uso da razão pública em diferentes âmbitos interacionais. In: MAIA, Rousiley C. M. (org.). Mídia e deliberação. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

NAGATA, Judith. Beyond Theology: Toward na Anthropology of "Fundamentalism". American Anthropologist, v. 103, n. 2, p. 481-498, 2001.

NASCIMENTO, JPC. Abordagens do pós-moderno em música: a incredulidade nas metanarrativas e o saber musical contemporâneo [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.

OLIVEIRA, Leidiane S. de. Patriarcado, conservadorismo contemporâneo e os desafios para as mulheres no Brasil. Revista de Políticas Públicas, v. 22, n. 2, p. 845-862, 2018.

PAINE, Scott R. Fundamentalismo ateu contra fundamentalismo religioso. Horizonte, Belo Horizonte, v. 8, n. 18, p. 9-26, jul.-set. 2010.

PANASIEWCZ, Roberlei. Fundamentalismo religioso: história e presença no cristianismo. Anais do X Simpósio ABHR. Assis, UNESP, 2008. Link: http://www.abhr.org.br/wp-content/uploads/2008/12/panasiewicz-roberlei.pdf. Acessado em 21/01/2019, às 14h11.

PANASIEWICZ, Roberlei. Olhar hermético ou hermenêutico: fundamentalismo religioso, origens e desafios. Atualidade teológica, 1-11. http://www2.dbd.puc-rio.br/pergamum/docdigital/simposioteologia/pdf/Roberlei%20Panasiewicz.pdf Acessado em 17/05/2017, às 11h49.

PAREL, Anthony J. Introduction. In: SAHA, Santosh C. Religious fundamentalism in the contemporary world: critical social and political issues. Maryland (USA) : Lexington Books, 2004, p. 1-4.

PEREIRA, Miguel B. Modernidade, fundamentalismo e pós-modernidade. Revista Filosófica de Coimbra, v. 2, p.
205-263, 1992.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Fundamentalismo e integrismo: os nomes e a coisa. Revista USP, n. 13, p. 144-156, 1992.

REINARES, Fernando. ¿Qué hay detrás del terrorismo suicida? Araucaria, v. 6, nº 11, p. 3-11, 2004.

ROCHA, Maria E. Eleições Brasil 2018: algumas notas crítico-analíticas. Visioni Latino Americane è la revista del Centro studi per l'America Latina. Anno XI, Nº 20, p. 138-142, Gennaio/2019.

ROCHA, Maricy R. F.; RABELO, Ítalo M. Avanço do conservadorismo no brasil: a PEC nº. 181/2015 e o regresso na legislação permissiva do aborto. Revista de Políticas Públicas. V. 22, nº 2, p. 665-685, 2018.

ROCHA, Zeferino. A perversão dos ideais no fundamentalismo religioso. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 3, n. 17, p. 761-774, set. 2014.

SILVA, Antonio O. da. Sobre a intolerância religiosa. Revista Espaço Acadêmico, ano 17, n. 203, p. 63-95, abr. 2018.

SOUSA, Rodrigo F. A questão do fundamentalismo: entre a reação e o diálogo. Anais do IV Congresso da Aptecre. Recife : UFPE, 2013, p. 51-70

TADVALD, Marcelo. A reinvenção do conservadorismo: os evangélicos e as eleições federais de 2014. Debates do NER. Ano 16, nº 27, p. 259-288, jan-jun/2015.

TAILCHE, Khalid B. M. Contrapontos no pensamento fundamentalista: para uma análise crítica. São Paulo: USP, 2012. (Tese de doutoramento).

THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: por uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 2002.

VOLTAIRE, François-Marie Arouet. Tratado sobre a tolerância. São Paulo: Edipro, 2017.

WELLAUSEN, Saly da S. Terrorismo e os atentados de 11 de setembro. Tempo Social, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 83-112, 2002.