Fim de uma ordem: natureza, lei divina, feminismo

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maria José Fontelas Rosado-Nunes
Brenda Maribel Carranza

Resumo

Este texto orienta-se pela hipótese de que o magistério da Igreja Católica e os estudos de gênero operam com pressupostos epistemológicos distintos ao formularem a noção de natureza humana e sua força analítica transcende as especulações acadêmicas e os âmbitos teológicos. Para a argumentação dessa proposta analisam-se algumas abordagens sobre a compreensão da natureza nos estudos de gênero e nos documentos pontíficios. Constata-se que longe de ser apenas um embate epistemológico o que emerge é a relevância política da categoria de gênero e sua intrínseca relação com o feminismo. Ainda, discute-se como deslizam os léxicos científicos e doutrinais para a sociedade onde há um confronto político entre dois movimentos: o feminismo e as campanhas antigênero, essas últimas com dimensões transnacionais que ultrapassam os grupos conservadores do cristianismo que as lideram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ROSADO-NUNES, M. J. F.; CARRANZA, B. M. Fim de uma ordem: natureza, lei divina, feminismo. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 17, n. 53, p. 936, 31 ago. 2019.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Maria José Fontelas Rosado-Nunes, PUC SP

Socióloga, doutora pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris (1991); Mestra em Ciências Sociais pela PUC/São Paulo (1984) e pela Université Catholique, Louvain la Neuve, Bélgica (1986). É Professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde faz parte do Colegiado e do Comitê Acadêmico. Ainda nesta instituição é Representante Docente do Departamento de Ciências da Religião junto ao conselho da Faculdade e Coordenadora da Área de Religião e Sociedade do Programa de Ciências da Religião; É pesquisadora nível 1 do CNPq e membro dos Conselhos do NEMGE/USP e da Revista de Estudos Feministas, entre vários outros. Integra, a convite, @s 100 United Nations Global Experts. É autora de artigos e capítulos de livros em obras nacionais e internacionais, algumas das quais receberam prêmios, como o da UNESCO (1995), Jabuti e Casa Grande & Senzala (1998). Seus campo de interesse incluem: o cruzamento das questões feministas e de gênero com a religião; as discussões sobre o lugar e o papel das religiões em sociedades modernas e democráticas; permanências e transformações do Catolicismo. Fundou e dirige a ONG Católicas pelo Direito de Decidir. Em 2005, foi indicada pela Associação Mil Mulheres pela Paz, juntamente com outras 51 brasileiras, para receber coletivamente o prêmio Nobel da Paz. Recebeu ainda o Prêmio ASHOKA como empreendedora social (maio 2007).

Brenda Maribel Carranza, PUC/Campinas

Brenda Carranza tem doutorado em Ciências Sociais pela UNICAMP e Pós-doutorado pela UERJ; Professora pesquisadora da PUC-Campinas; Pesquisadora convidada do Programa de investigación: Religión vivida e vulnerabilidade da Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad Católica de Argentina (UCA); Pesquisadora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da PUC-SP; e do Laborátorio de Antropologia Religiosa da UNICAMP; Secretaria Geral da Associação de Cientistas Sociais da Religião da América Latina; (Gestão 2018-2020); Membro dos Grupo de pesquisas CNPq: Secularização/USP; Cristianismos/UERJ; vice-líder do GREPO/PUC-SP.