A semântica de Eros no tempo patrístico

  • Ulysses Roberto Lio Tropia
Palavras-chave: Eros, Patrística, Amor, Alma, Mística, Virtude, Castidade e Ágape

Resumo

O objetivo deste artigo é mostrar a semântica da palavra Eros dentro da tradição cristã. Limita-se a algumas dessas significações. A reflexão mostra a limitação dessa expressão na língua portuguesa. Seu significado é muito mais rico na língua grega. Se a tradição cristã carregou esta palavra de forma negativa, outros Padres leram-na em sintonia com Ágape e com outros significados. A relação mística a interpreta como uma relação “erótica” entre homem e Deus. Esta intimidade procura explicar o aspecto do desejo de Deus e da relação mútua entre aquele que ama e o amado, que tem sua raiz na busca mais íntima da humanidade. Negar por preconceitos palavras carregadas de desejos não divinos e nem dignos da humanidade, como na Antigüidade, é reduzir demais seu campo semântico na história. Esta palavra reflete o amor da alma para com Deus numa perspectiva mística, assume variações significativas, dentre tantas, como o amor de Jesus Cristo, como sinônimas de Ágape, do amor de Deus para com os homens, como amor individual ligado a Deus, o Eros como virtude e como castidade. A compreensão das dimensões do amor se realiza na capacidade de ver que todas elas são positivas e importantes para obtermos o equilíbrio da vida humana, numa harmonia destas dimensões constitutivas e importantes para a vida.

Palavras-chave: Eros; Patrística; Amor; Alma; Mística; Virtude; Castidade e Ágape.


ABSTRACT

This article aims at demonstrating the semantics of the term Eros in Christian tradition, pointing out the limitations of the term in Portuguese. The scope of its meaning is much wider in Greek. If Christian tradition has charged the word with a negative feature, other priests have read it in tune with Agape and other meanings. The mystical perspective interprets it as an ‘erotic’ relationship between man and God. Such intimacy attempts to explain God’s desire and the mutual relation between the one who loves and the beloved, rooted in mankind’s most intimate longing. To deny, on account of prejudice, words charged with non-divine desires unworthy of humanity, as happened in antiquity, is to reduce their semantic field in history. That word reflects the soul’s love for God in a mystical perspective and assumes meaningful variations, among which Christ’s love, ‘Agape’ or God’s love for men, and individual love connected with God: ‘Eros’ as virtue and chastity. The comprehension of the dimensions of love takes place in the capacity to realize that they are all positive and relevant to human life’s balance, in the harmony of those dimensions that constitute life.

Key words: Eros; Patristics; Love; Soul; The mystical; Virtue; Chastity; Agape.

Publicado
03-12-2006
Como Citar
TROPIA, U. R. L. A semântica de Eros no tempo patrístico. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 5, n. 9, p. 106-128, 3 dez. 2006.
Seção
Artigos/Articles