Protestantismo liberal, ecumênico, revolucionário e pluralista no Brasil – um projeto que ainda não se extinguiu

Main Article Content

Carlos Eduardo Brandão Calvani

Resumo

As igrejas protestantes do Brasil, nos últimos anos, se tornaram mais intolerantes ao pluralismo, avessas ao ecumenismo e imunes à autocrítica teológica. O perfil da atual liderança das igrejas protestantes brasileiras em nada se assemelha à geração de intelectuais protestantes dos anos 30 a 50 e menos ainda à geração dos protestantes ecumênicos e revolucionários dos 60 e 70. Essas duas gerações, dentro de seus limites e possibilidades ajudaram a construir no Brasil um tipo de protestantismo que, embora minoritário, trouxe muitas contribuições, não somente às suas igrejas, mas à sociedade. Porém, esse tipo de protestantismo parece estar desaparecendo nas ondas de um modelo conservador, pouco afeito à reflexão teológica e desinteressado para com as novas demandas de inclusão social e para com os direitos das minorias. Aparentemente, vivemos o fim de um tipo de protestantismo no Brasil. Aquele protestantismo temperado pelos ideais da modernidade parece ter fracassado. O texto recupera um pouco da memória dessas duas gerações, valorizando sua oposição aos avanços fundamentalistas que encontraram solo fértil no Brasil e presta homenagem aos heróis da resistência, partilhando dos mesmos ideais e da mesma esperança: que o protestantismo brasileiro seja mais liberal, ecumênico, revolucionário e pluralista.

Article Details

Como Citar
CALVANI, C. E. B. Protestantismo liberal, ecumênico, revolucionário e pluralista no Brasil – um projeto que ainda não se extinguiu. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 13, n. 40, p. 1896-1929, 25 dez. 2015.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

Carlos Eduardo Brandão Calvani, Universidade Federal de Sergipe

Professor no Progama de Pós-Graduação da Universidade Federal de Sergipe