Em busca das características de Tom Wolfe em textos do Novo Jornalismo

Palavras-chave: Tom Wolfe, livro-reportagem, novo jornalismo, jornalismo literário, romance

Resumo

Este artigo apresenta resultados finais e inéditos de pesquisa de pós-doutorado que verificou a presumível presença, em livros-reportagem, das quatro características do “novo jornalismo” que, segundo Tom Wolfe (2005), caracterizariam tais obras. Verificamos, empiricamente, que elas não estão identificados: a narração não ocorre alternando cenas; os narradores não são personagens; os diálogos são raros; e os detalhes significativos, quando existem, dificilmente podem ser qualificados como estritamente realistas ou literários. Tais aspectos poderiam atribuir literariedade às longas narrativas jornalísticas, mas foram pouco explorados nas obras analisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Antônio Zibordi, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, SP, Brasil.

Professor de Jornalismo da Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo. Pós-doutorando com pesquisa sobre livro-reportagem na Universidade de São Paulo (USP), Escola de Comunicações e Artes (ECA), Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE). Membro do grupo de pesquisa Epistemologia do Diálogo Social. Editor e repórter da Agência de Notícias das Favelas (ANF).

Referências

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. Vozes de Tchernóbil: A história oral do desastre nuclear. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARCELLOS, Caco. Abusado: o dono do morro dona Marta. Rio de Janeiro: Record, 2005.

BARCELLOS, Caco. Rota 66. São Paulo: Globo, 2002.

BAUDELAIRE, Charles. Madame Bovary. In: BAUDELAIRE, Charles. Reflexões sobre meus contemporâneos. São Paulo: EDUC/Imaginário, 1992, p. 32-47.

BELO, Eduardo. Livro-reportagem. São Paulo: Contexto, 2006.

BELTRÃO, Luiz. Jornalismo interpretativo: filosofia e técnica. Porto Alegre: Sulina, 1980.

BORGES, Rogério. Jornalismo literário – análise do discurso. Florianópolis: Insular, 2013.

BULHÕES, Marcelo Magalhães. Jornalismo e literatura em convergência. São Paulo: Ática, 2007.

CATALÃO JÚNIOR, Antonio Heriberto. Jornalismo best-seller: o livro-reportagem no Brasil contemporâneo. 2010. 252f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2010.

CÂNDIDO, Antonio. Iniciação à literatura brasileira: resumo para principiantes. São Paulo: Humanistas, FFLCH, USP, 1999.

CAPOTE, Truman. A sangue frio. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CARVALHAL, Tania Franco. Literatura comparada. São Paulo: Princípios. 2004.

COLLINS, Larry; LAPIERRE, Dominique. Esta noite a liberdade. São Paulo: Difel, 1981.

COSSON, Rildo. Romance-reportagem: o gênero. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2001.

DURAS, Marguerite. O amante. São Paulo: Folha de S. Paulo, 2003.

FARO, José Salvador. Revista Realidade, 1966-1968: tempo de reportagem na imprensa brasileira. Canoas: Ulbra; Age, 1999.

FERREIRA, Carlos Rogé. Literatura e jornalismo, práticas políticas. São Paulo: Edusp, 2003.

HARTSOCK, John C. A history of American literary journalism. The emergence of a modern narrative form. Boston: University of Massachusetts Press, 2000.

KEEBLE, Richard Lance. Jornalismo literário como disciplina: Tom Wolfe e além. Brazilian Journalism Research, v. 14, n. 3, p. 862-881, 2018.

KRAMER, Mark. Breakable rules for literary journalists. In: SIMS, Nornam; KRAMER, Mark. Literary journalism: A new collection of the best American nonfiction. Nova York: Ballantine Books, 1995.

LEITE, Ligia Chiapinni Moraes. O foco narrativo. São Paulo: Ática, 2005 .

LIMA, Alceu Amoroso. O jornalismo como gênero literário. São Paulo: Com-Arte; Edusp, 1990.

LIMA, Edvaldo Pereira. Jornalismo literário para iniciantes. São Paulo: Edusp, 2014.

LIMA, Edvaldo Pereira. O que é livro-reportagem. São Paulo: Brasiliense, 1993.

LIMA, Edvaldo Pereira. Páginas Ampliadas: o livro-reportagem como ampliação do jornalismo e da literatura. Barueri: Manole, 2009.

LONGINO, Dionísio. Do sublime. In: LONGINO, Dionísio. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 2005. p. 70-114.

LOUZEIRO, José. Aracelli, meu amor. São Paulo: Prumo, 2012.

LOUZEIRO, José. Infância dos mortos. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

LOUZEIRO, José. Lúcio Flávio: o passageiro da agonia. Rio de Janeiro: Record, 1978.

MAILER, N. Os exércitos da noite [Os degraus do Pentágono]. Rio de Janeiro: Record, 1968.

MÁRQUEZ, Gabriel García. A revoada [O enterro do diabo]. Rio de Janeiro: Record, 2019.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Notícia de um sequestro. Rio de Janeiro: Record, 1996.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Relato de um náufrago. Rio de Janeiro: Record, 2004.

MARTINEZ, Monica. Jornalismo literário – tradição e inovação. Florianópolis: Insular, 2016.

MARTINEZ, Monica; FEREIRA, Ana Laura; FERNANDES, Caroliny; LIRA, Eduardo; OLIVEIRA, Murilo; PERES, Samara; FIGUEIREDO, Vinicius; GAVER, Vitor. Mapeamento do Jornalismo Literário como Disciplina: referenciais teóricos e práticos mais empregados no Brasil. Anagrama, v. 16, n. 1, p. 1-16, jan./jun. 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/193876. Acesso em: 18 ago. 2023.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente. São Paulo: Summus, 2003.

MEDINA, Cremilda. Ato presencial: mistério e transformação. São Paulo: Casa da Serra, 2016.

MEDINA, Cremilda. O criador da assinatura coletiva. In: MEDINA, Cremilda (org.). Liberdade de expressão, direito à informação nas sociedades latino-americanas. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 2010, p. 151.165.

MEDINA, Cremilda. Entrevista: o diálogo possível. São Paulo: Ática, 2001.

MEDINA, Cremilda. Memórias lúdicas: em tempo de pandemia. São Paulo: Portal do Envelhecimento Comunicação, 2022.

MEDINA, Cremilda. Notícia, um produto à venda: jornalismo na sociedade urbana e industrial. São Paulo: Summus, 1988.

MEINEL, Valério. Aézio, um operário brasileiro. Rio de Janeiro: Codecri, 1981.

MEINEL, Valério. Porque Cláudia Lessin vai morrer. Rio de Janeiro: Codecri, 1978.

MELO, José Marques. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

MORAES, Letícia Nunes de. Leituras da revista Realidade (1966-1968). São Paulo: Alameda, 2007.

OLINTO, Antônio. Jornalismo e literatura. Rio de Janeiro: Ediouro, 1958.

PENA, Felipe. Jornalismo literário. São Paulo: Contexto, 2021.

PENA, Felipe. Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto, 2018.

ROSS, Lillian. Filme. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SEVERIANO, Milton. Realidade: história da revista que virou lenda. Florianopolis: Insular, 2013.

SIMS, Norman. The Literary Journalists. New York: Ballantine Books, 1984.

SOUZA, Candice Vidal e. Repórteres e reportagens no jornalismo brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010.

TALESE, Gay. A mulher do próximo. São Paulo: Companhia das Letras, 2002

TALESE, Gay. Honra teu pai. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

TODOROV, Tzvetan. Estruturalismo e poética. São Paulo: Cultrix, 1971.

WOLFE, Tom. O reino da fala. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

WOLFE, Tom. O teste do ácido do refresco elétrico. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

WOLFE, Tom. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Publicado
18-12-2023