A política externa “ativa” e “altiva” do Brasil frente aos conflitos na Líbia e na Síria: desafiando o “cerco hegemônico”

“Haughty” and “active” brazilian foreign policy to conflicts in Libya and Syria: challenging the “hegemonic siegue”

  • Matías Daniel Avelino Ferreyra Wachholtz Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais "San Tiago Dantas" (Unesp, Unicamp, Puc-sp).
Palavras-chave: Brasil, Conflitos Armados, Segurança Internacional, Países Emergentes

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar o acionar da diplomacia brasileira frente aos conflitos armados na Líbia e na Síria, no marco das crises humanitárias e de segurança aquecidas com a “Primavera árabe”, em 2011. Tais crises se iniciam quando o Brasil ocupava uma vaga como membro não permanente no Conselho de Segurança. Nesse contexto, um dos objetivos da política externa “ativa” e “altiva”, formulada pelo governo de Luís Ignácio ‘Lula’ Da Silva, e herdada, até certo ponto, pelo governo de Dilma Rousseff, era a procura por uma maior participação brasileira em matéria de resolução de conflitos dentro do Sul global. Nessa direção, são avaliados os principais posicionamentos e propostas do Brasil frente a esses conflitos armados, considerando as parcerias estratégicas com países emergentes, e o “cerco” tradicionalmente estabelecido pelas grandes potências sobre o gerenciamento das crises e conflitos do Oriente Médio.

Biografia do Autor

Matías Daniel Avelino Ferreyra Wachholtz, Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais "San Tiago Dantas" (Unesp, Unicamp, Puc-sp).
Doutorando em Relações Internacionais no Programa de Pós-graduação "San Tiago Dantas" (Unesp, Unicamp, Puc-sp). Mestre em Estudos Estratégicos, Universidade Federal Fluminense. Pesquisador do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES) e do Instituto Rosario de Estudios del Mundo Árabe e Islámico (IREMAI). Licenciado em Relações Internacionais, Universidad Nacional de Rosario (UNR-Argentina). E-mail: ferreyram3@gmail.com

Referências

ASSUNÇÃO, Iuri. O Fórum IBAS: Uma Experiência de Parceria Estratégica na Perspectiva da Cooperação Sul-Sul. Revista Acadêmica de Relações Internacionais, Paraíba: ed. nro. 4, vol. 2, pp. 65-101, 2013.

BRASIL SAI DE CIMA DO MURO E APOIA POVO LÍBIO. Revista Veja. 2011. Disponível em: https://veja.abril.com.br/mundo/brasil-sai-de-cima-do-muro-e-apoia-povo-libio/ (acesso 20 jan 2018).

BRASIL VOTA A FAVOR DE INVESTIGAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS NO IRÃ, 2011. Disponível em: https://www.opopular.com.br/editorias/cidade/brasil-vota-a-favor-de-investiga%C3%A7%C3%A3o-sobre-direitos-humanos-no-ir%C3%A3-1.83674 (acesso em 20 jan 2018).

BOTTA, Paulo. Lula Da Silva: el mediador confiable en Oriente Próximo. El Tiempo, Bogotá,2010.Disponível:http://www.fride.org/descarga/FRIDE_ElTimpo.Colombia_14.05.10.pdf. (acesso 19 jan 2018).

CASARÕES, Guilherme Stolle Paixão. Construindo pontes? O Brasil diante da Primavera Árabe. Ciência e Cultura, São Paulo, vol.64 no.4, Oct./Dec, 2012.

CERVO, Luís. Inserção internacional: Formação dos conceitos brasileiros. Brasília: Editora Saraiva, 2010.

DEUTSCH, Verónica, FERREYRA, Matías, TINNIRELLO, Florencia. América Latina y Medio Oriente Frente a los Desafíos del Siglo XXI. Revista Contexto Internacional, Santa Fé, nro. 39, p.3 -13, FUNIF, 2014.

FELLER, João. Posição sobre a Líbia opôs Brasil a potências ocidentais. BBC Brasil, Brasília, 20 outubro, 2011. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/10/111020_brasil_libia_jf_rc (acesso 20 jan 2018).

FERREIRA, Carlos Ruiz, LEITE, Alexandre. Brasil como miembro no permanente del Consejo de Seguridad de las Naciones Unidas en el periodo 2010-2011. Foro Internacional, México, vol.55 no.4, oct./dic, 2015.

FERREYRA, Matías. Síria: De Las Revueltas Seculares en la Primavera árabe a la Islamización de la Guerra Civil. Revista Contra/Relatos desde el Sur, Córdoba, (12), 97-115, 2015.

FLEMES, Daniel, SARAIVA, Miriam. Potências emergentes na ordem de redes: o caso do Brasil. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, Vol.57, no.2, July/Dec, 2014.

FOLEY, Conor. Avanços normativos sobre a proteção de civis em conflitos armados. Em: A Implementação da Responsabilidade de Proteger. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, 2013.

GUIMARÃES, Samuel Pinheiros. Desafios e dilemas dos grandes países periféricos: Brasil e Índia. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291998000100006 (acesso 20 set 2017).

HENNEMANN, Gustavo. Brasil defende saída de Gaddafi pela 1ª vez. Folha de São Paulo.2011.Disponível:https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2303201101.html (acesso: 20 jan 2018).

HIRST, Mónica; LIMA, Maria Regina Soares; PINHEIRO, Letícia. A política externa brasileira em tempos de novos horizontes e desafios. Nueva Sociedad, Buenos Aires, Edición especial en portugués, Fundación Friedrich Ebert, 2010.

IBAS. Declaração de Brasília. 2003. Disponível em: http://www.mre.gov.br/portugues/politica_externa/grupos/ibas/ (acesso: 20 jan 2017).

DE SOUSA, John. Cambios en el Poder Estructural y Países Emergentes. Coleção Política Externa brasileira, Brasília, FUNAG, 2013.

MAIHOLD, Günther. ¿Demasiado mundo?: Lula, Brasil y Oriente Medio. Instituto Elcano, España, ARI 62/2010 - 06/04/2010, 2010.

MINISTÉRIO DE RELAÇÕES EXTERIORES. Pronunciamento do Ministro das Relações Exteriores, Antônio de Aguiar Patriota, em debate sobre Responsabilidade ao Proteger na ONU, Nova York, 2012.

MINISTÉRIO DE RELAÇÕES EXTERIORES. Aprovação da Resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU sobre a Líbia. 2011. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/2514-aprovacao-da-resolucao-1973-do-conselho-de-seguranca-da-onu-sobre-a-libia (acesso em 20 jan 2018).

OLIVEIRA, Ana; UZIEL, Eduardo; ROCHA, Rafael. A atuação dos BRICS no Conselho de Segurança das Nações Unidas no ano de 2011. 2015. Política Externa, São Paulo, HMG Editora, 2015. Disponível em: http://politicaexterna.com.br/2750/atuacao-dos-brics-conselho-de-seguranca-das-nacoes-unidas-ano-de-2011/ (acesso 20 jan 2018).

ONU. Conselho de Segurança aprova sanções contra a Líbia. 2011. Disponível em: https://nacoesunidas.org/conselho-de-seguranca-aprova-sancoes-contra-a-libia/ (acesso 20 jan 2018).

PATRIOTA QUER CONSENSO NA ONU PARA FIM DA VIOLÊNCIA NA SÍRIA. Terra, 2011. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/patriota-quer-consenso-na-onu-para-fim-da-violencia-na-siria,608bcc00a90ea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html (acesso 20 jan 2018).

RIEDIGUER, Bruna Figueiredo. A posição do Brasil frente ao conflito na Síria. Conjuntura Austral, Porto Alegre, Ed. nro. 19, p.35 – 51, 2013.

STUENKEL, Oliver. “O Brasil como articulador de normas: a Responsabilidade ao Proteger”. En: A Implementação da Responsabilidade de Proteger. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, 2013.

VIANNA, Carlos Chagas. A Manutenção da Paz, a R2P / RwP e a Questão do Uso da Força. Em: A Implementação da Responsabilidade de Proteger. Instituto Igarapé, ed.nro. 35. Rio de Janeiro, 2013.

VIOTTI, Maria; DUNLOP, Regina; FERNANDES, Leonardo. O Brasil no Conselho de Segurança da ONU: 2010-2011. Brasília: FUNAG, 782 p. Coleção política externa brasileira, 2014.

Publicado
24-04-2019
Como Citar
Ferreyra Wachholtz, M. D. A. (2019). A política externa “ativa” e “altiva” do Brasil frente aos conflitos na Líbia e na Síria: desafiando o “cerco hegemônico”. Estudos Internacionais: Revista De relações Internacionais Da PUC Minas, 7(1), 25-40. https://doi.org/10.5752/P.2317-773X.2019v7n1p25-40